Morreu John Havlicek, melhor marcador da história dos Boston Celtics

Havlicek, de origem checa, fez toda a carreira nos Celtics, onde conquistou oito títulos de campeão da NBA.

O antigo basquetebolista norte-americano John Havlicek, melhor marcador da história dos Boston Celtics, morreu nesta quinta-feira, aos 79 anos, anunciou a sua antiga equipa.

"É com grande tristeza que soubemos que a lenda dos Celtics e membro do hall of fame John Havlicek morreu tranquilamente com a idade de 79 anos", escreveram os recordistas de títulos na Liga norte-americana de basquetebol (NBA).

Havlicek cumpriu toda a sua carreira nos Celtics, entre 1962 e 1978, conquistando oito títulos de campeão - é um dos três jogadores que nunca perdeu uma final da NBA -, um registo só batido pelos seus companheiros de equipa Bill Russell e Sam Jones, que contam 11 e 10 cetros.

"O John era um grande campeão no terreno de jogo e na vida", prossegue o comunicado do Celtics, acrescentando que Havlicek morreu em Jupiter, na Florida, onde residia -- batia-se há vários anos com a doença de Parkinson.

Havlicek, de origem checa e chamado somente de 'Hondo' pelos companheiros, terminou a carreira com 26.395 pontos, uma média de 20,8 por jogo, sendo o recordista de jogos na fase regular para jogadores do Celtics (1.270 jogos). Foi selecionado 13 vezes para o jogo All Star.

O presidente da NBA, Adam Silver, prestou homenagem ao antigo basquetebolista, considerado o mais valioso (MVP) dos 'play-offs' de 1974, reconhecendo-o como "quem representava o melhor da NBA". "Era um homem de hábitos e disciplina, com uma abordagem humilde, que produziu resultados extraordinários", afirmou Silver.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.