Miguel Poiares Maduro: "Futebol internacional tem uma lógica de cartel"

O antigo ministro foi presidente do Comité de Governação da FIFA. Admite a existência de "pressões políticas" e a"compra indireta de votos" e defende a intervenção da União Europeia para o que o futebol seja uma modalidade mais justa e competitiva.

O antigo presidente do Comité de Governação da FIFA Miguel Poiares Maduro criticou esta sexta-feira a "opacidade" das organizações que tutelam o futebol mundial, nomeadamente FIFA e UEFA, imputando-lhes um sistema de cartelização.

"É praticamente impossível que o futebol se consiga reformar a si próprio. Há uma lógica de cartel que não se consegue combater dentro do próprio cartel. Há uma 'cartelização' do sistema, associada uma enorme centralização do poder e sem escrutínio", declarou o antigo ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional no Executivo de Passos Coelho, entre 2013 e 2015.

Para o professor universitário, a experiência pessoal na FIFA "não foi bem-sucedida" e esse passado acabou por consolidar o seu pessimismo para a reforma do futebol mundial. Miguel Poiares Maduro foi mais longe e defendeu uma intervenção externa da União Europeia (UE) para conseguir resultados efetivos na criação de uma modalidade mais justa e competitiva.

"A reforma do futebol terá de ser imposta externamente. Só a UE é que tem capacidade negocial para impor um modelo de regulação. Entendo que o melhor era a criação de uma agência independente para garantir que as organizações do futebol atuam conforme os princípios de boa governança. É a única esperança que tenho para uma reforma do futebol. Fora da UE dificilmente assistiremos a uma reforma efetiva", sublinhou.

"É um regime sem regras", denuncia Maduro

Paralelamente, o antigo ministro confessou a existência de "pressões políticas" e de "compra indireta de votos" nas mais variadas eleições dos órgãos que constituem o organismo presidido por Gianni Infantino. Consequentemente, atribuiu à sua vontade de mudar comportamentos a brevidade da passagem pelo cargo, no qual ficou apenas oito meses.

"É um regime com regras, mas sem comunidade de direito. As estruturas de governo do futebol continuam herdeiras do movimento associativo tradicional", disse, justificando o fim precoce do seu mandato com a decisão de afastar o russo Vitaly Mutko do Conselho da FIFA: "Uma das razões para o meu mandato ter sido tão curto teve a ver, certamente, com a decisão de afastar o então vice-primeiro-ministro da Rússia".

Confrontado também com o anunciado projeto de uma Superliga europeia, que poderá vir a reduzir a expressão dos clubes portugueses nas provas internacionais, Miguel Poiares Maduro lamentou que os sinais de mudança apontem todos para a criação de uma liga fechada ou semifechada, entendendo que isso vai aumentar ainda mais o fosso competitivo.

"Os incentivos vão todos no sentido de reforçarem as competições internacionais e caminharmos no sentido de ligas europeias fechadas e semifechadas, que vão ser extremamente negativas para o Sporting e para os outros clubes portugueses. É preciso redistribuir e proteger, mas está a ir no sentido contrário. É muito mau também para a competitividade interna do campeonato nacional", concluiu.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.