Mais uma vitória e um recorde. Mesmo campeão, Jesus não dá tréguas

Num jogo de torcida única (sem adeptos do Flamengo), Jesus somou mais um triunfo. Venceu em São Paulo o rival Palmeiras por 3-1 e chegou aos 87 pontos no campeonato.

O Flamengo esteve nos últimos dias em festa, mas nem assim a equipa de Jorge Jesus baixou a guarda. E neste domingo deu mais uma lição e uma prova da qualidade do plantel, ao vencer por 3-1 na deslocação ao campo do Palmeiras, terceiro classificado, numa partida em que por razões de segurança os rubro-negros não tiveram o apoio dos adeptos nas bancadas.

O Flamengo colocou-se em vantagem logo aos quatro minutos, com um golo do uruguaio De Arrascaeta de pé esquerdo, após assistência de Gabigol, que só foi validado após consulta do VAR. Um golo que permitiu bater mais um recorde, com o clube carioca a atingir os 78 golos no campeonato brasileiro e tornando-se na equipa mais concretizadora desde que o Brasileirão passou a ter 20 equipas, em 2006. A anterior marca pertencia ao Cruzeiro.

Mesmo em cima do intervalo, o Flamengo aumentou a vantagem, num lance em que os papéis se inverteram, e foi De Arrascaeta a assistir para Gabigol marcar. Logo a abrir a segunda parte, Gabriel Barbosa, o suspeito do costume, voltou a balançar as redes, marcando o terceiro da sua equipa. O Palmeiras acordou nos minutos finais e ainda reduziu para 1-3, por Matheus Fernandes, aos 82'.

A equipa de Jesus já tinha batido na quarta-feira o recorde de pontos do Brasileirão desde que o campeonato tem 20 equipas, ao atingir os 84 pontos e a superar a marca que estava na posse do Corinthians. Com este triunfo o Flamengo chegou aos 87 pontos, mais 19 do que Santos e Palmeiras.

Antes do jogo, Mano Menezes, treinador do Palmeiras, teve um gesto de fair play e deslocou-se ao balneário do Flamengo para felicitar Jorge Jesus pela conquista da Libertadores e do campeonato brasileiro.

O treinador do Palmeiras só não contava com a derrota e no final do jogo foi demitido do cargo. Mano Menezes foi o sexto treinador de uma equipa brasileira a deixar o cargo depois de uma derrota com o Flamngo, depois de Scolari, Fábio Carille, Alberto valentin, Claudinei Oliveira e Adilson Batista.

A partida foi marcada pelo facto de não ter contado nas bancadas com adeptos do Flamengo, por decisão da Confederação Brasileira de Futebol, mas sobretudo do Ministério Público do Estado de São Paulo, que alegou razões de segurança para assim fosse, já que a polícia militar terá tido acesso a informações que apontavam para rixas entre adeptos.

Este jogo também não teve transmissão em direto para Portugal através do Canal 11. Segundo a imprensa brasileira, o Palmeiras recusou a proposta de mais de 10 mil euros oferecida pelo canal português pelos direitos de transmissão do encontro.

Foi também o primeiro desafio do Flamengo de Jorge Jesus depois do fim de semana alucinante de há uma semana, quando o clube conquistou no sábado a Taça Libertadores e foi campeão no domingo precisamente à custa do Palmeiras, que perdeu com o Grémio.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...