Madeira Rodrigues: "Varandas? No corpo clínico do Sporting não hesitava"

Candidato à presidência dos leões apresentou esta terça-feira a sua estrutura para o futebol e falou sobre concorrente.

Após ter apresentado na manhã desta terça-feira a estrutura para o futebol do Sporting em caso de vitória nas eleições de 8 de setembro, Pedro Madeira Rodrigues falou sobre o concorrente Frederico Varandas, elogiando-o... enquanto médico. "Sou a pessoa melhor preparada para ser presidente do Sporting. O Frederico Varandas é um fantástico médico. No corpo clínico do Sporting não hesitava, seria fantástico para a nossa equipa", afirmou aos jornalistas.

"São todos sportinguistas, tenho a certeza que esta campanha vai ser elevada. Esta campanha vai ser muito mais fácil do que outra. Fui bombardeando por um sistema montado que não deixava que a mensagem passasse. Há outro sistema montado, mas não será tão forte como esse", acrescentou, citado por O Jogo.

Sobre o treinador que escolheu, Claudio Ranieri, considerou-o "uma pessoa muito simples". "Confiou em mim. Tem a noção da importância de ter adjuntos que conheçam bem o futebol português. Já tenho apalavrado uma pessoa que vai fazer parte da equipa técnica, um grande sportinguista e com com experiência no futebol português", revelou.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.