Louis van Gaal foi oferecido ao Benfica

Um emissário apresentou ao presidente Luís Filipe Vieira a disponibilidade de o treinador holandês, que vive atualmente no Algarve, para suceder a Rui Vitória

Luís Filipe Vieira anunciou esta segunda-feira que o nome do próximo treinador do Benfica será conhecido apenas na próxima semana, mas ao que o DN apurou são vários os técnicos que se têm mostrado disponíveis para assumir o cargo e um deles é precisamente o holandês Louis van Gaal.

Segundo fonte bem colocada no processo, um emissário colocou em cima da mesa do presidente do Benfica o antigo treinador de Ajax, Barcelona, Bayern Munique e Manchester United, garantindo que ele estaria interessado em assumir o comando técnico dos encarnados.

Van Gaal, de 67 anos, deixou o United no final da época 2015/16 após falhar o apuramento para a Liga dos Campeões e desde então tem estado sem treinar, tendo deixado o futebol desiludido por não ter podido cumprir o seu contrato com os red devils.

O técnico holandês está a viver no Algarve, onde tinha planeado viver a sua reforma do futebol. No entanto, a perspetiva de poder voltar a treinar num clube como o Benfica poderia alterar-lhe os planos e assumir um último projeto na sua carreira recheada de títulos.

O holandês tem no currículo uma Liga dos Campeões, uma Taça UEFA, três títulos de campeão holandês, três supertaças holandesas, uma Taça da Holanda, uma Supertaça europeia e uma Taça Intercontinental pelo Ajax. Mudou-se depois para o Barcelona, onde conquistou duas ligas espanholas, uma Taça do Rei e uma Supertaça europeia.

Regressou depois à Holanda para conquistar o título pelo AZ Alkmaar, tendo depois sido contratado pelo Bayern Munique onde venceu campeonato, taça e supertaça da Alemanha. Finalmente, no Manchester United ganhou apenas uma Taça de Inglaterra. Pelo meio teve duas passagens pela seleção holandesa, tendo na última alcançado um terceiro lugar no Mundial 2014, disputado no Brasil.

Além de Van Gaal, foram ainda sugeridos a Vieira o italiano Roberto Donadoni, que já foi selecionador italiano e treinador do Nápoles; o escocês David Moyes, que já representou Everton, Manchester United e deixou o West Ham no final da época passada; e ainda o espanhol Fran Escribá, antigo adjunto de Quique Flores no Benfica, que em 2016/17 orientou o Villarreal.

Nos próximos dias, Luís Filipe Vieira vai poderar todos as possibilidades que tem entre mãos, mas para já vai manter o técnico interino Bruno Lage no jogo da próxima sexta-feira, em São Miguel, com o Santa Clara, a contar para a 17.ª jornada da Liga.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.