Keizer deixa Wendel de fora após escapadela do jogador a Itália para ver a Juventus

Médio brasileiro viajou sem conhecimento do clube e por isso fica de fora da convocatória do jogo com o Nacional.

O treinador Marcel Keizer referiu esta quinta-feira que o médio do Sporting Wendel não está nos convocados para o desafio da 30.ª jornada da I Liga de futebol, diante do Nacional, apesar de estar apto. "Não tem qualquer lesão, mas não vai estar com a equipa", limitou-se a dizer Marcel Keizer, em conferência de imprensa.

Apesar de não ter mencionado as razões, a recente escapadela do jogador a Turim, Itália, a meio da semana, para ver o jogo da Champions entre a Juventus e o Ajax é a explicação para este castigo, já que o médio brasileiro não pediu autorização à SAD para se ausentar do país, o que vai contra os regulamentos internos do clube. Ao que foi possível apurar, Wendel será ainda alvo de uma multa.

Wendel assistiu ao jogo dos quartos-de-final da Champions na terça-feira, entre a Juventus e o Ajax, em Turim. O jogador chegou mesmo a publicar várias fotos nas redes sociais a provarem que se encontrava no local, algo que não agradou aos responsáveis leoninos, pois não tinham conhecimento da situação e além disso o Sporting joga já esta sexta-feira com o Nacional. O brasileiro esteve presente no treino realizado na manhã de quarta-feira em Alcochete e foi logo chamado à atenção, ficando sob a alçada disciplinar do clube.

O treinador do Sporting considerou que o desafio com o Nacional vai ser complicado, acreditando que os insulares "vão fazer tudo" para vencer os leões. A formação orientada por Costinha ocupa a antepenúltima posição da tabela, com 27 pontos, e necessita de pontos na luta pela permanência no principal escalão. Marcel Keizer recordou, em conferência de imprensa, o início complicado do jogo da primeira volta no Estádio José Alvalade, em que os'leões tiveram de dar a volta a um 0-2.

"O Nacional está a lutar pelos pontos para ficar na I Liga e vai fazer tudo para ganhar este jogo. Será diferente da primeira volta e sabemos que temos de fazer um bom jogo. Em Alvalade, foi muito difícil, mostraram a qualidade do seu futebol", alertou.

Questionado sobre se os desafios diante das equipas em zona perigosa da tabela tornam a reta final mais difícil para o Sporting, Keizer concordou e recordou a partida da última ronda. "Basta ver o jogo com o [Desportivo das] Aves. Estão a lutar pelos pontos e estou à espera que o Nacional faça o mesmo. Tenho a certeza de que vão lutar até ao fim", declarou.

O treinador do Sporting, que já foi também técnico do Ajax, clube em que treinou alguns dos atuais jogadores do atual plantel, comentou também o recente apuramento da antiga equipa para as meias-finais da Liga dos Campeões. "Estou muito feliz por eles, porque estão a jogar muito bem e a mostrar a qualidade que têm. Para chegar a este nível, tem de se percorrer um longo caminho. Começou há alguns anos e o Ajax mostrou que uma equipa de orçamento mais baixo pode chegar longe", argumentou.

Além de Wendel, pelos motivos já referidos, também Bas Dost, Cristián Borja, Raphinha e Battaglia ficam de fora da convocatória estarem a recuperam das respetivas lesões, sendo que o avançado holandês já treina limitado com equipa há três dias.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.