Juventus prepara oferta de 100 milhões por João Félix

Jovem avançado do Benfica faz capa do jornal italiano Tuttosport, que garante que o clube de Turim o quer juntar a Cristiano Ronaldo

A "febre" João Félix está espalhada pela Europa e sucedem-se as notícias sobre o interesse dos maiores clubes do Velho Continente no novo "fenómeno" benfiquista.

O hat-trick marcado ao Eintracht de Frankfurt, na última quinta-feira, na primeira mão dos quartos de final da Liga Europa, serviu para reforçar o entusiasmo em redor do jovem internacional português e em Itália garantem que a Juventus quer antecipar-se à concorrência.

Segundo o jornal italiano Tuttosport, o clube de Turim prepara uma oferta de 100 milhões de euros pelo jogador do Benfica que, recorde-se, tem uma cláusula de rescisão de 120 milhões de euros que o presidente encarnado Luís Filipe Vieira já disse querer aumentar em breve.

Recorde-se que, de acordo com o jornal O Jogo, a Juventus já tinha apresentado na semana passada uma oferta de 75 milhões de euros por Félix, que terá sido recusada pelo Benfica.

A vontade da Juventus em juntar Félix ao seu ídolo Ronaldo é real e a Vecchia Sigonra conta com a ação de Jorge Mendes, empresário de ambos, para se antecipar a outros clubes, escreve-se em Itália. A equipa de Turim está disposta até a abrir mão do avançado argentino Dybala para financiar a contratação do benfiquista, que, aos 19 anos, parece ter a Europa do futebol aos seus pés.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.