Caiu um golo do céu para dar um pouco de paz ao Sporting

Os leões conquistaram, frente ao Rosenborg, a segunda vitória na Liga Europa e desanuviaram um pouco o ambiente pesado em Alvalade, depois da eliminação da Taça de Portugal. Bolasie estreou-se a marcar e a equipa de Jorge Silas quebrou com uma série de seis jogos a sofrer golos em casa.

O Sporting conquistou esta quinta-feira a segunda vitória na Liga Europa e a terceira em quatro jogos de Jorge Silas como treinador da equipa. Um golo de Bolasie aos 70 minutos permitiu aos leões levarem a melhor sobre os noruegueses do Rosenborg, por 1-0, e ao mesmo tempo afugentar os fantasmas que pairam em Alvalade, sobretudo depois da eliminação da Taça de Portugal, diante do Alverca.

A exibição não foi brilhante, é certo, mas serviu para os jogadores leoninos recuperarem um pouco a confiança, que é algo que está um pouco arredada de Alvalade. Ainda para mais numa altura em que a contestação das claques à direção está no auge, embora desta vez se tenham preocupado mais em apoiar os atletas do que em apupar o presidente, o que não evitou que a determinada altura da segunda parte se ouvissem alguns assobios à fraca produção da equipa quando o resultado ainda estava em 0-0.

Sabendo que o momento é delicado, Jorge Silas apostou num sistema de 4x3x3 que é, no fundo, aquele a que os atletas estão mais confortáveis, desde os tempos de Marcel Keizer. E o certo é que o Sporting entrou estável no jogo e durante os primeiros 20 minutos controlou o jogo e até dispôs de duas boas oportunidades para se adiantar no marcador, uma por Bruno Fernandes (o único português do onze leonino) na cobrança de um livre à barra e outra através de um cabeceamento de Vietto para grande defesa do guarda-redes André Hansen.

Mais segurança, menos velocidade

Aos poucos, o Rosenborg, que foi sempre uma equipa que privilegiou a manutenção da organização defensiva, foi conseguindo sair para o ataque e depois de um remate perigoso de Akintola, esteve muito perto de marcar, pois uma bola aliviada por Coates contra Idrissa Doumbia foi embater na barra. Esse foi um período em que os jogadores do Sporting abanaram um pouco, pois os noruegueses, apesar de pouco dotados tecnicamente, acreditaram que podiam fazer uma gracinha em Alvalade e desfazer a série de 12 jogos sem vencer na Liga Europa.

Após o intervalo, o cariz do jogo manteve-se. O Sporting deu continuidade ao seu futebol de média intensidade, preferindo a segurança à velocidade, o que impedia a equipa de abrir espaços no muro cor-de-rosa que se erguia à frente da baliza do Rosenborg. A solução era muitas vezes os remates de longe, sem grande sucesso.

Os primeiros assobios dos adeptos leoninos ouviram-se nos momentos seguintes a um lance em que Mathieu perdeu a bola para Akintola, mas que depois Coates acabou por resolver. A falta de ideias da equipa, deixava o público impaciente e percebendo isso Jorge Silas procurou agitar a sua equipa com a entrada do jovem Pedro Mendes (não está inscrito nas provas nacionais), que esta semana foi promovido ao plantel principal, por troca com o "desaparecido" Luiz Phellype.

Bolasie estreia-se a marcar

É certo que a toada do jogo não mudou muito, mas lá apareceu o golo de Bolasie (o primeiro de leão ao peito) um pouco caído do céu, numa jogada com uma série de ressaltos. Primeiro foi o cruzamento de Bruno Fernandes que fez a bola subir, acabando por cair na área onde o congolês cabeceou contra um defesa, enganando o guarda-redes norueguês.

Estava feito o mais difícil, tendo em conta a fraca produção ofensiva dos leões. Só que para garantir a vitória era preciso, nos 20 minutos que restavam, fazer algo que o Sporting não conseguia desde 27 de abril frente ao V. Guimarães: não sofrer golos em casa. Com alguns sobressaltos pelo meio, a equipa de Jorge Silas conseguiu acabar com essa série negativa que durava há seis jogos.

Com estes três pontos, o Sporting subiu ao segundo lugar do grupo B, beneficiando do empate 0-0 entre o PSV Eindhoven e o LASK Linz. Dentro de duas semanas, os leões visitam a Noruega, onde uma nova vitória poderá servir de rampa de lançamento para o apuramento para os 16 avos-de-final.

O congolês que o Sporting foi buscar, por empréstimo, ao Everton estreou-se a marcar de leão ao peito. Com felicidade, é certo, mas que premiou a sua entrega ao jogo, algo que é uma das suas qualidades inatas, mesmo quando as coisas não lhe saem bem.

VEJA AQUI O ÚNICO GOLO DA PARTIDA

FICHA DO JOGO:

Estádio José Alvalade (27 671 espectadores)
Árbitro: Lawrence Visser (Bélgica)

Sporting - Renan Ribeiro; Rosier, Coates, Mathieu, Acuña; Idrissa Doumbia, Wendel (Eduardo Henrique, 88'), Bruno Fernandes; Bolasie, Luiz Phellype (Pedro Mendes, 65'), Vietto (Cristián Borja, 85')
Treinador: Jorge Silas

Rosenborg - André Hansen; Hedenstad, Reginiussen, Hovland, Meling; Mike Jensen, Lundemo, Asen (Helland, 81'); Akintola (Konradsen, 76'), Soderlund, Adegbenro (Bjorn Johnsen, 81')
Treinador: Erik Horneland

Cartão amarelo a Coates (36'), Vietto (63'), Rosier (76') e Mike Jensen (90'+3)

Golo: 1-0, Bolasie (70')

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG