João Almeida segurou a camisola rosa por 15 segundos. "Foi um festival de sofrimento até ao fim"

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) suportou aquilo que apelidou de "festival de sofrimento" na 15.ª etapa para segurar a liderança da geral da Volta a Itália em bicicleta, prometendo "defender a camisola rosa" até onde puder.

Aos jornalistas, Almeida explicou que este foi "um festival de sofrimento até ao final" e que já esperava "que alguém atacasse", acabando por ser o segundo à geral, o holandês Wilco Kelderman (Sunweb), que esteve "super forte".

A eetapa foi conquistada pelo britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS), de 25 anos, que cumpriu os 185 quilómetros entre a base aérea de Rivolto e Piancavallo em 4:58.52 horas, dois segundos à frente de Kelderman, que foi segundo classificado, e quatro do australiano Jai Hindley (Sunweb), terceiro.

Almeida, quarto colocado na etapa, a 37 segundos, perdeu 35 segundos para Kelderman, que ainda bonificou pelo segundo lugar, mas manteve a camisola rosa, com 15 segundos de vantagem para o holandês, com Hindley no terceiro lugar, a 2.56 minutos, e grande parte dos restantes favoritos agora mais distantes do português.

Daqui para a frente, diz, o objetivo "é o mesmo". "Vou continuar a defender a camisola e vamos ver quão longe posso ir. Sem a equipa, isto não seria possível. São menos de 20 segundos [de margem], mas vou defender-me", atirou.

Mesmo perante um objetivo "quase impossível, muito difícil" de vencer o Giro na estreia em grandes Voltas, e aos 22 anos, "segurar a rosa" um número recorde de dias, 13, para um sub-23 é "muito especial".

No "dia mais duro até aqui", acabou por fazer sozinho grande parte da subida final até à meta em Piancavallo, porque "não sobrou mais ninguém", mas agradeceu ainda à equipa, sem quem "isto não seria possível", mesmo que se tenha mesmo isolado nos quilómetros finais.

"Retirei o auricular [do rádio] porque estava tão concentrado em dar o meu melhor. Estava mesmo a fazer tudo o que podia para segurar a camisola rosa", explicou.

Está "muito feliz" de seguir com a 'maglia rosa' e garantiu que o segundo dia de descanso, na segunda-feira, vai ajudar a defender a liderança nos próximos dias, depois de hoje "Kelderman ter sido super", mas "não se pode ser super todos os dias".

"Vamos tentar noutro dia", assegurou.

Na segunda-feira, cumpre-se o segundo e último dia de descanso, antes de uma derradeira semana de prova, com seis etapas, marcada pela alta montanha, antes do contrarrelógio da 21.ª etapa, em Milão.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG