Italianos apontam Buffon ao FC Porto

O histórico guarda-redes italiano, de 41 anos, está livre depois de se ter desvinculado do PSG. De acordo com o jornal Tuttosport, pode ser o sucessor do amigo Casillas no Dragão.

Gianluigi Buffon no lugar de Casillas como guarda-redes do FC Porto? A notícia é esta terça-feira avançada em Itália pelo jornal Tuttosport, que garante que o guarda-redes italiano é mesmo uma série possibilidade para reforçar os dragões.

Buffon, de 41 anos, é neste momento um jogador livre, depois de se ter desvinculado recentemente do Paris-Saint Germain, e tem sido associado a vários clubes, desde destinos mais exóticos até ao Parma, clube onde deu início à carreira. Mas esta terça-feira, o Tuttosport dá como forte possibilidade o guardião ser contratado pelo FC Porto, precisamente para substituir o seu grande amigo Casillas, que em breve poderá anunciar o final da carreira depois de ter sofrido um enfarte.

O guarda-redes italiano anunciou o adeus ao PSG através de uma mensagem nas redes sociais, onde agradeceu a oportunidade de ter representado o clube parisiense. "Deixo o clube mais rico após uma experiência que me fez crescer. Hoje termina a minha aventura fora de Itália: o Paris Saint-Germain propôs-me a renovação de contrato, mas decidi não aceitar, pois pretendo ter novas experiências", escreveu o campeão do mundo de 2006 ao serviço da seleção de Itália.

Certo é que Buffon pretende continuar a sua carreira de futebolista, tendo inclusive já recebido propostas de alguns clubes europeus tendo em vista a próxima temporada. Uma delas, segundo o Tuttosport, passa pelo FC Porto.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.