Zverev de outro mundo bate Djokovic e conquista ATP finals

Alemão levou a melhor sobre o número um mundial, neste domingo, em Londres.

Alexander Zverev conquistou neste domingo, em Londres, o título mais importante da sua carreira, ao sagrar-se campeão das ATP World Tour Finals, na O2 Arena. O alemão de 21 anos e n.º 5 do ranking ATP bateu o líder mundial, Novak Djokovic, em dois sets (6-4 e 6-3).

Um dia depois de derrotar Roger Federer, Zverev bateu o número um mundial, Novak Djokovic, para conquistar o título mais importante da carreira, tornando-se o primeiro tenista alemão a vencer o Masters desde Boris Becker, em 1995.

Frente a um jogador que já venceu por cinco vezes o torneio, o aprendiz e estreante em decisões deste nível cilindrou o experiente número um mundial em apenas dois parciais e fez jus aqueles que o consideram o melhor tenista da sua geração.

Com a vitória do jovem Sascha, o ténis alemão volta a festejar um título depois de Becker e um jejum de 23 anos. A última vitória de um jogador da Alemanha na competição que junta os melhores oito jogadores da temporada era de 1995, quando Boris Becker derrotou Michael Chang por 7-6 (3), 6-0 e 7-6 (5) - na altura o torneio se chamava ATP Tour World Championships.

Este é o 10.º título conquistado por Alexander Zverev no ATP World Tour (o quarto da temporada, depois de Munique, Madrid e Washington) e também o mais importante para o pupilo do lendário Ivan Lendl.

Quanto a Novak Djokovic, saiu derrotado e falhou a conquista do sexto título no ATP Finals, um resultado que lhe teria permitido igualar o registo do recordista Roger Federer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.