Zidane já decidiu que quer o emprego de José Mourinho

L'Equipe avança que o treinador tricampeão europeu tem muito interesse em treinar na Premier League e que o banco do Manchester United é o que lhes suscita maior entusiasmo por ser um admirador de Alex Ferguson

Zinedine Zidane está parado há dois meses, depois de ter deixado voluntariamente o Real Madrid, clube pelo qual se sagrou tricampeão europeu, mas já tem o seu objetivo bem definido.

Segundo o L'Equipe, o mais prestigiado jornal desportivo francês, Zidane, que resolveu tirar um ano sabático, já definiu o seu próximo passo; a Premier League e o Manchester United, clube que é, atualmente, treinado por José Mourinho, com quem se cruzou na capital espanhola.


O L'Equipe lembra dois factos que podem levar o francês a Old Trafford; José Mourinho tem contrato 'apenas' até 2020, o que pode facilitar um acordo dentro de um ano, e, recentemente, tem mostrado publicamente as suas divergências quanto à intervenção do clube no mercado de transferências.

Na peça pode ler-se que Zinedine Zidane tem estabelecido que um dia vai treinar a seleção francesa, pela qual se sagrou campeão mundial em 1998, mas antes quer a Premier League e o Manchester United, devendo-se este desejo ao facto de ser confesso admirador de Sir Alex Ferguson, mais bem sucedido treinador da história do Manchester United.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.