Zidane e Cristiano Ronaldo podem voltar a juntar-se em Turim

Ex-treinador do Real Madrid apontado como provável sucessor de Massimiliano Allegri na Juventus, a partir da próxima época

No Real Madrid, nenhum outro treinador terá gerido tão bem o talento de Cristiano Ronaldo quanto Zinedine Zidane. Nem mesmo José Mourinho, ou Carlo Ancelotti. Juntos, o internacional português o treinador francês ganharam três Ligas dos Campeões consecutivas pelo clube merengue antes de, após a última dessas conquistas, cada um deles decidir prosseguir a vida fora do Santiago Bernabéu.

Ronaldo rumou à Juventus e Zidane optou por um ano sabático, como se sabe. Mas podem voltar a trabalhar juntos em breve, na próxima temporada, em Turim. Segundo o jornal espanhol El Mundo, o antigo internacional francês, também ele uma figura histórica da Juventus (onde jogou entre 1996 e 2001), é o favorito para suceder ao atual técnico do clube italiano, Massimiliano Allegri, a partir de 2019/20.

Allegri cumpre atualmente a quinta época na Juventus e a sua saída já foi um cenário equacionado pelo próprio técnico no final da temporada passada, após ter garantido a quarta dobradinha (campeonato e taça) consecutiva pela Vecchia Singora, com o seu nome falado até para suceder a Zidane no Real.

Zidane é o favorito a suceder a Allegri quando este cumprir um ciclo de cinco anos na Juventus, no final da temporada

O técnico italiano optou por continuar na Juventus, onde agora tem o contributo de Cristiano Ronaldo para tentar ganhar finalmente a Liga dos Campeões, o troféu que lhe falta nesta passagem de sucesso pelo clube de Turim. Mas, segundo o El Mundo, o plano é que termine um ciclo de cinco anos e saia no final desta temporada. Se assim for, Zidane e a Juventus serão a escolha natural um do outro, proporcionando o reencontro entre o francês e Cristiano Ronaldo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.