Zidane e Cristiano Ronaldo podem voltar a juntar-se em Turim

Ex-treinador do Real Madrid apontado como provável sucessor de Massimiliano Allegri na Juventus, a partir da próxima época

No Real Madrid, nenhum outro treinador terá gerido tão bem o talento de Cristiano Ronaldo quanto Zinedine Zidane. Nem mesmo José Mourinho, ou Carlo Ancelotti. Juntos, o internacional português o treinador francês ganharam três Ligas dos Campeões consecutivas pelo clube merengue antes de, após a última dessas conquistas, cada um deles decidir prosseguir a vida fora do Santiago Bernabéu.

Ronaldo rumou à Juventus e Zidane optou por um ano sabático, como se sabe. Mas podem voltar a trabalhar juntos em breve, na próxima temporada, em Turim. Segundo o jornal espanhol El Mundo, o antigo internacional francês, também ele uma figura histórica da Juventus (onde jogou entre 1996 e 2001), é o favorito para suceder ao atual técnico do clube italiano, Massimiliano Allegri, a partir de 2019/20.

Allegri cumpre atualmente a quinta época na Juventus e a sua saída já foi um cenário equacionado pelo próprio técnico no final da temporada passada, após ter garantido a quarta dobradinha (campeonato e taça) consecutiva pela Vecchia Singora, com o seu nome falado até para suceder a Zidane no Real.

Zidane é o favorito a suceder a Allegri quando este cumprir um ciclo de cinco anos na Juventus, no final da temporada

O técnico italiano optou por continuar na Juventus, onde agora tem o contributo de Cristiano Ronaldo para tentar ganhar finalmente a Liga dos Campeões, o troféu que lhe falta nesta passagem de sucesso pelo clube de Turim. Mas, segundo o El Mundo, o plano é que termine um ciclo de cinco anos e saia no final desta temporada. Se assim for, Zidane e a Juventus serão a escolha natural um do outro, proporcionando o reencontro entre o francês e Cristiano Ronaldo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."