Yaya Touré fez exames médicos em Londres. Não se sabe é para que clube

Médio costa-marfinense está sem clube depois de ter terminado contrato com o Manchester City. Empresário garante apenas que não serão os londrinos West Ham e Crystal Palace

O médio costa-marfinense Yaya Touré, desempregado depois de terminar contrato com o Manchester City no final de junho, está perto de assinar por um novo clube, após ter "passado em exames médicos em Londres", publicou o seu agente, Dimiry Seluk, no Twitter.

Sem adiantar o nome do novo clube, o empresário garantiu apenas que não será nos londrinos West Ham e Crystal Palace. "West Ham não é, a 100%. Yaya é um campeão. O último lugar não é para ele", escreveu, referindo-se à posição que os hammers ocupam na liga inglesa.

"Crystal Palace não é, a 100%. Roy Hodgson disse desconhecer quando os seus jogadores fazem anos. Como é que o Yaya iria para lá?", acrescentou, bem-disposto, colocando a hiperligação de uma notícia de 2014 do Daily Star em que o treinador inglês comentava a alegada insatisfação de Yaya Touré por o Manchester City não lhe ter desejado um feliz 31.º aniversário.

Segundo o jornal britânico Daily Express, o veterano jogador de 35 anos está nas cogitações de Arsenal, Chelsea, Tottenham e dos gregos do Olympiakos, clube que o centrocampista africano representou em 2005/06. A confirmar-se o regresso ao Pireu, seria um reforço de peso para o treinador português Pedro Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.