Mão de Boly ajuda Wolves a tirar primeiros pontos ao Manchester City

O Wolverhampton, treinado pelo português Nuno Espírito Santo, empatou 1-1 com os citizens na terceira jornada da liga inglesa, graças a um golo com a mão do central francês ex-FC Porto.

No Estádio Molineux, a equipa mais portuguesa da Premier League teve Rui Patrício, João Moutinho, Rúben Neves, Diogo Jota e Hélder Costa entre as primeiras escolhas, mas o tento inaugural chegou através de um lance ilegal que o árbitro Martin Atkison não conseguiu ver, aos 57 minutos.

Após um cruzamento do internacional português João Moutinho, o antigo central de FC Porto e Sporting de Braga apareceu ao segundo poste para cabecear, mas a bola acabou por embater na mão do defesa central e encaminhou-se para a baliza.

A equipa da Pep Guardiola, que teve Bernando Silva em campo durante 62 minutos, reagiu aos 69 minutos, por intermédio do central francês Aymeric Laporte, ao corresponder com eficácia a um cruzamento tenso de IIkay Gundogan.

Ainda assim, os Wolves continuam sem saber o que é vencer na Premier, depois da igualdade (2-2) frente ao Everton, de Marco Silva, e da derrota diante do Leicester (2-0), de Adrien e Ricardo Pereira, enquanto os campeões em título, já com dois triunfos, podem agora ser ultrapassados no primeiro lugar por Liverpool, Chelsea, Watford, Totthenham e Bournemouth, caso estes vençam os respetivos encontros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.