Vuelta: Valverde ganha no Camiñito del Rey e vermelha passa para Kwiatkowski

O ciclista espanhol da Movistar foi este domingo o mais forte no sprint em subida da etapa de Camiñito del Rey, com a camisola vermelha da Volta a Espanha a passar para o polaco da Sky.

A segunda etapa tinha o aliciante de terminar com uma subida de terceira categoria, dificuldade muito bem aproveitada pelo veterano (38 anos) ciclista da Movistar, que nos últimos metros se desembaraçou de Kwiatkowski, segundo na meta e novo líder da geral.

Entre os derrotados do dia o nome mais sonante é o de Vicenzo Nibali, o líder da Bahrain Merida, que perdeu 4.04 minutos na tirada, para ser 81.º no dia, mas também já está KO o australiano Riche Porte (BMC), distanciado 13.31.

Rohan Dennis (Lotto Soudal), da Austrália, fora sábado o primeiro líder da Vuelta, mas este domingo acabou por também ser uma das vítimas do forte calor e descolou a uma vintena de quilómetros do fim, para concluir a mais de dez minutos de Valverde.

Os 163,5 quilómetros de Marbella a Camiñito del Rey acabaram de facto por fazer mossa no pelotão, por causa do calor e de alguma montanha. Os ciclistas chegaram à meta em grupos médios ou mesmo pequenos, como foi o caso dos dois melhores portugueses do dia, Tiago Machado (Katusha) e Nelson Oliveira (Movistar), 72.º e 73º, a 3.13 minutos de Valverde.

Os outros dois lusos perderam mais tempo: José Gonçalves (Katusha) entrou em 102.º, a 6.31, e José Mendes (Burgos BH) em 146.º, a 13.31, integrado no último e mais largo pelotão.

Já se sabia que a etapa ia ser seletiva e isso bem se comprovou no final, com quase todos os favoritos nos lugares da frente - notáveis exceções de Nibali e Porte - para a abordagem da subida final.

O belga Laurens de Plus (Quickstep) atacou resoluto no último quilómetro, só que acabou por ser impotente face à reação de Kwiatkowski e ao contra-ataque, mais forte ainda, de Valverde, vencedor em 4:13.01, à média de 38,8 quilómetros por hora.

Richie Porte, desistente no Tour, explicou agora que teve uma gastroenterite dias antes do arranque da Vuelta, pelo que a corrida para ele só conta na terceira semana, em princípio. Até lá, é aguentar e talvez dar uma ajuda a Nicolas Roche, o BMC mais bem classificado.

Quanto a Nibali, mostrou fraquezas na subida do Alto de Guadalhorce, a oito quilómetros do fim, nada abonatórias para quem já venceu as três grandes Voltas.

Em grande esteve o comboio da Sky, mesmo sem os seus nomes maiores, com Kwiatkowski, o colombiano Sergio Henao e o chefe de fila David de La Cruz a demolirem uma etapa que poucos esperariam tão dura.

Na geral, Kwiatkowski comanda com 14 segundos sobre Valverde e 25 sobre o holandês Wilco Kedermans, da Sunweb.

Nelson Oliveira é o melhor português, em 68.º (a 3.30). Seguem-se Tiago Machado em 74.º (a 4.00), José Gonçalves em 108.º (a 7.49) e José Mendes em 159.º (a 14.15).

Segunda-feira será a primeira ocasião para os verdadeiros sprinters brilharem, nos 178,2 quilómetros sem dificuldades entre Mijas e Alhaurin, com exceção de uma subida de primeira logo de início.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)