Rohan Dennis faz o pleno nos contrarrelógios da Volta a Espanha

O britânico Simon Yates foi 13.º na etapa e reforçou a liderança na geral. O português Nélson Oliveira fez o sétimo melhor tempo

O australiano Rohan Dennis conquistou esta terça-feira o contrarrelógio da 16.ª etapa da Volta a Espanha, depois de já ter vencido o crono do primeiro dia, enquanto o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) reforçou a liderança da geral.

Dennis completou os 32 quilómetros entre Santillana del Mar e Torrelavega em 37,44 minutos, com o colega de equipa Joseph Rosskopf a ficar em segundo, a 50 segundos, e o espanhol Jonathan Castroviejo (Sky) em terceiro, com o mesmo tempo.

Para o australiano, este foi o sexto triunfo em contrarrelógios individuais esta temporada, começando nos nacionais da Austrália e passando por uma vitória na Volta a Itália, para agora fazer o bis na Vuelta.

Depois dos bons resultados, Dennis vai abandonar a corrida para poder preparar o contrarrelógio individual e também por equipas dos Mundiais de Innsbruck, na Áustria, no final do mês.

"Vou para casa, preparar-me para os Mundiais. Tentei controlar no início e no fim, e mexer-me bem na secção intermédia, e correu na perfeição", explicou o ciclista que teve de esperar bem mais de uma hora para ver confirmado um triunfo anunciado, uma vez que acabou como o único corredor a baixar dos 38 minutos.

Segundo o australiano, e mesmo sabendo "que esta era uma boa corrida", a incerteza ainda pairava sobre os tempos de Castroviejo, "sempre um bom indicador de forças por comparação", mas também do polaco Michal Kwiatkowski (Sky), quarto.

No dia da terceira vitória em etapas da BMC, juntando o bis de Dennis a um triunfo do italiano Alessandro de Marchi, o português Nélson Oliveira (Movistar) voltou a estar em bom plano, ao ser sétimo, a 1,05 minutos do vencedor.

Numa etapa vista como antecâmara dos Mundiais, o corredor português, quarto classificado no crono do Campeonato do Mundo de 2017, registou novo top 10, depois de ter sido quarto na primeira etapa.

Oliveira segurou o 75.º posto na geral, enquanto Tiago Machado (Katusha-Alpecin) foi 48.º na etapa e caiu para 85.º, e José Mendes (Burgos-BH) cedeu uma posição na geral, para 100.º, ao ser 93.º.

Depois de selado o triunfo na etapa, os primeiros classificados da geral lutaram para fazer a diferença e tentar abanar a liderança de Yates, mas foi o britânico a sair reforçado do primeiro dia da terceira e última semana da prova.

Ao registar o 13.º melhor tempo, Yates aumentou para 33 os segundos de vantagem para o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), enquanto Steven Kruijswijk (LottoNL-Jumbo), outro dos vencedores do dia, foi quarto e subiu ao terceiro lugar, a 52 segundos.

O colombiano Nairo Quintana (Movistar) caiu para quarto, a 1,15 minutos, enquanto o espanhol Enric Mas (Quick-Step Floors) é quinto, a 1,30, e o colombiano Miguel Ángel López (Astana) sexto, a 1,34.

Esta quarta-feira, a 17.ª etapa liga Getxo a Balcón de Bizkaia em 157 quilómetros, com uma etapa dura de montanha e chegada em alto a testar mais uma vez os candidatos à vitória final.

Confira aqui as classificações da Vuelta.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.