Vuelta tem um surpreendente novo líder

O francês Alexandre Geniez (AG2R) venceu esta quinta-feira ao 'sprint' a 12.ª etapa da Volta a Espanha em bicicleta, que ditou a subida a líder do espanhol Jesus Herrada (Cofidis), destronando o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott).

"Era o objetivo, o prémio que procurava há muito tempo. Queria não perder tempo e meter-me numa fuga. No fim não pude lutar pela etapa, pois estava demasiado morto. Talvez perca a liderança já amanhã [sexta-feira], mas agora quero é aproveitar", disse Herrada.

Alexandre Geniez cumpriu 181,1 quilómetros entre Mondoñedo e Mañón, com duas contagens de montanha de terceira categoria, em 4:22.59, batendo o holandês Dylan van Baarle (Sky) e o ucraniano Mark Padun (Bahrain).

Herrada, de 28 anos, foi apenas 16.º, a 2.32, mas Yates, que seguia no pelotão com os principais favoritos, cruzou a meta a 11.39 minutos.

O espanhol, que não está entre os favoritos, subiu desde o 22.º lugar e agora tem 3.22 minutos de avanço para Yates, que continua um segundo à frente do espanhol Alejandro Valverde (Movistar), 14 do colombiano Nairo Quintana (Movistar) e 17 do espanhol Ion Izaguirre (Bahrain).

Tiago Machado (Katusha) liderou o pequeno grupo de Herrada, no 13.º lugar, e com isso subiu 16 lugares para 63.º, a 44.33.

Nélson Oliveira (Movistar) comandou o pelotão, cruzando a meta em 19.º, e galou cinco posições, para 75.º, a 54.20.

Bem mais atrás, José Mendes (Burgos) foi 147.º classificado a 27.17 e com isso caiu 15 posições até 88.º, a 1:07.05, enquanto José Gonçalves (Katusha) integrou o último grupo, em 164.º, a 27.25, baixando oito posições para 140.º, a 1:56.59.

Na sexta-feira disputa-se a 13.ª etapa, uma ligação de 174,8 quilómetros entre Candás e Valle de Sabero.

A tirada tem uma contagem de terceira categoria e duas de primeira, a derradeira na chegada ao Alto de la Camperona, um exigente teste à surpreendente liderança de Jesus Herrada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...