Vuelta: Ataque de Tony Gallopin vale vitória na sétima etapa

O francês da AG2R atacou esta sexta-feira nos últimos quilómetros para vencer a sétima etapa da Volta a Espanha em bicicleta, conseguindo o primeiro triunfo em grandes voltas desde 2014.

Gallopin, de 30 anos, atacou nos últimos dois quilómetros e cumpriu os 185,7 quilómetros entre Puerto-Lumbreras e Pozo Alcón em 4:18.20 horas, cinco segundos a menos que o eslovaco Peter Sagan (BORA-hansgrohe), segundo, e o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), terceiro.

O ciclista francês, que na Volta a França de 2014 viveu os melhores dias da carreira, com uma vitória em etapa e um dia como camisola amarela, voltou esta sexta-feira a sorrir em grandes voltas, num ano em que venceu, em fevereiro, a prova francesa de uma semana Étoile de Bessèges.

Depois de a fuga ter sido apanhada nos últimos 15 quilómetros, vários grupos tentaram atacar a vitória, com os favoritos a vigiarem-se para impedir perdas de tempo.

Depois de um ataque dos espanhóis Lluis Mas e Jesús Herrada, ambos da Cofidis Solutions Crédits, Gallopin saltou para a frente com um ataque forte a dois quilómetros da meta, parando apenas depois de erguer os braços em Pozo Alcón.

No final da prova, Gallopin disse que a vitória afastou "o azar deste ano, com muitas quedas e problemas de saúde", elogiando o plano de participar na Vuelta depois de abandonar o Tour a meio.

"Sabíamos que o final ia ser caótico, por isso tínhamos um plano, que passava, primeiro, por integrar a fuga, e depois a equipa colocar-me bem no final. (...) Encontrei um bom momento e estou muito feliz", atirou.

Segundo o francês, foi nos últimos 200 metros, quando olhou para traz e não viu ninguém a persegui-lo, que decidiu "dar tudo na última reta", o que lhe permitiu arrecadar uma vantagem de cinco segundos.

O resultado significa que o puncheur é agora quinto à geral, a 59 segundos do compatriota Rudy Molard (Groupama-FDJ), que chegou integrado no grupo dos favoritos.

Ainda assim, o camisola vermelha perdeu tempo também para Valverde, que aproveitou o bónus de tempo do segundo lugar da etapa para subir a segundo, agora a 47 segundos da liderança.

Em sentido contrário, o antigo líder, o polaco Michal Kwiatkowski (Sky), perdeu tempo e caiu para sexto, a 1.06 minutos de Molard, com o alemão Emanuel Buchmann (BORA-hansgrohe) a seguir no terceiro lugar, a 48 segundos.

Tiago Machado (Katusha Alpecin) continua o português mais bem posicionado, em 59.º da geral, depois de esta sexta-feira terminar em 64.º, 12 lugares abaixo de José Mendes (Burgos-BH), o melhor desta sexta-feira.

Mendes subiu 18 posições para o 68.º posto da geral, enquanto Nelson Oliveira (Movistar), 73.º esta sexta-feira, é 77.º, e José Gonçalves (Katusha Alpecin) caiu de novo para fora do top 100, seguindo em 107.º depois de ser 136.º classificado.

No sábado, os puncheurs têm nova oportunidade de atacar uma vitória em etapa, ainda que o pelotão possa tentar controlar o dia para os sprinters, numa ligação de 195,1 quilómetros entre Linares e Almadén.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)