Alejandro Valverde vence oitava etapa da Volta a Espanha

O francês Rudy Molard continua a ser o líder da classificação geral da Vuelta, com 37 segundos de vantagem sobre Valverde

O espanhol Alejandro Valverde (Movistar) venceu este sábado a oitava etapa da Volta a Espanha em bicicleta, o segundo triunfo na presente edição, com o francês Rudy Molard (Groupama-FDJ) a segurar a liderança da classificação geral individual.

Valverde, que aos 38 anos já tinha triunfado no segundo dia e é segundo na geral, cumpriu os 195,1 quilómetros entre Linares e Almadén em 4:35.54 horas, batendo ao sprint o tricampeão mundial em título, o eslovaco Peter Sagan (BORA-hansgrohe), segundo, e o holandês Danny van Poppel (LottoNL-Jumbo), terceiro.

No domingo, Molard defende a liderança da classificação geral, presa por 37 segundos sobre Valverde, na mais dura das etapas da primeira semana, uma ligação de 200,8 quilómetros entre Talavera de la Reina e La Covatilla com quatro contagens de montanha e chegada em alto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.