Volta a Portugal: Rafael Reis "ia caindo" mas vestiu amarela em casa

O português da Caja Rural voou esta quarta-feira para a camisola amarela da Volta a Portugal em bicicleta, ao fazer o melhor tempo no prólogo disputado em Setúbal, perto de Palmela, de onde é natural

Especialista em contrarrelógio, o palmelense cumpriu os curtos 1,8 quilómetros do prólogo em 2.18 minutos e foi o único a baixar dos 2.20, marca de César Martingil (LA-Alumínios), que liderou durante muito tempo a corrida. O dinamarquês Louis Bendixen (Coop) fechou o pódio, a três segundos.

A correr em casa, Rafael Reis imitou o que tinha feito há umas semanas e, tal como no Troféu Joaquim Agostinho, venceu o prólogo e vestiu a camisola amarela.

"Era o objetivo conseguir a amarela aqui. Correr aqui, com o apoio da minha família, acho que me deu mais força", disse.

Rafael Reis assumiu que arriscou um pouco, em especial nas duas curvas do percurso, e que "ia caindo", mas "felizmente" vestiu a amarela.

As duas curvas mais acentuadas do percurso, ambas de cerca de 90 graus, causaram a queda de alguns ciclistas, com os principais favoritos a levantarem um pouco o pé, o que os fez perder alguns segundos, mas que não deverão ser decisivos na classificação geral.

Dos grandes candidatos ao triunfo final, o espanhol Gustavo Veloso (W52-FC Porto), vencedor em 2014 e 2015, foi o que perdeu mais tempo, cedendo 12 segundos para Rafael Reis.

O seu compatriota e colega de equipa Raúl Alarcón estreou o dorsal número um, de vencedor em 2017, com o 42.º posto, a nove segundos de Reis, mas apenas dois de outros candidatos, como Alejandro Marque e Jóni Brandão (Sporting-Tavira) e Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano).

"Era um prólogo um pouco perigoso, não quis correr muitos riscos, porque havia muito para perder e pouco para ganhar. Amanhã [quinta-feira] começamos com a corrida. As sensações são boas e vamos tentar outro dia [subir à liderança]", disse Alarcón.

Na quinta-feira, disputa-se a primeira etapa em linha da 80.ª edição da Volta a Portugal, com 191,8 quilómetros a ligar Alcácer do Sal a Albufeira, num percurso com apenas duas contagens de montanha de quarta categoria.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.