Volta a Portugal: Etapa deste domingo sem passagem pela Torre

Com a diminuição da etapa, a partida será retardada 35 minutos

A quarta etapa da Volta a Portugal em bicicleta, que se disputa no domingo, não vai passar na Torre, devido às condições climatéricas e para defender os atletas, anunciou este sábado a organização.

Em comunicado, a organização refere que, "atendendo às altas temperaturas que continuam a registar-se e aos elevados níveis de cansaço do pelotão provocados pelo calor", foi decidido "reduzir o índice de dificuldade da etapa 'rainha', eliminando 27 quilómetros".

A etapa, que liga a Guarda às Penhas da Saúde, tinha inicialmente 171,4 quilómetros e vai agora ter 144, deixando de ter a passagem da Torre, que será substituída pela subida às Penhas Douradas, voltando a corrida ao percurso original na zona de Manteigas.

Com a diminuição da etapa, a partida será retardada 35 minutos, com o início a passar as 13:00, estando a primeira meta de volante agora colocada em Celorico da Beira, logo aos 28,4 quilómetros, mantendo-se a segunda em Gouveia, aos 55,8.

A meta volante de Seia foi eliminada e a primeira subida do dia começa aos 58,7 quilómetros, para as Penhas Douradas, uma contagem de primeira categoria, colocada aos 75,9.

O pelotão desce depois logo para a Manteigas, antes de ter nova contagem de terceira categoria, em Sarzedo, aos 115,3 quilómetros - estava inicialmente prevista para os 142,4.

A meta volante na Covilhã está aos 132 quilómetros, quase em simultâneo com o início para as Penhas da Saúde, uma contagem de categoria especial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.