Vince Carter. Adorar o jogo mantém o jogador mais velho da NBA no ativo

Atleta dos Atlanta Hawks vai para a sua 21.ª temporada. Começou como um jogador de espetáculo mas mantém-se como um bom lançador, algo que sempre conseguiu fazer, mas que teve de melhorar. História de amor e ódio com Toronto marca carreira

A noite passada, Vince Carter realizou o seu jogo oficial número 1509 na NBA, contando com fase regular e playoff. Aos 41 anos, o agora jogador dos Atlanta Hawks é o mais velho da liga, e se muitos o conhecem pelos vídeos de melhores momentos em que aparece a afundar de todas as formas e feitios, a verdade é que os números mostram um jogador mais evoluído e com uma grande capacidade ao nível do lançamento.

Com o jogo de ontem, frente aos Indiana Pacers - que acabou com uma derrota por 97-89 - Vince Carter está no 8.º lugar dos jogadores que mais partidas mais realizaram na NBA desde que há memória, com 1421 jogos só na época regular.

Agora na oitava equipa desde que chegou à liga em 1998, foi a 5.ª escolha do draft saído da Universidade da Carolina do Norte, onde andou muitos anos antes um atleta chamado Michael Jordan. Devido a uma troca logo no dia do draft (quando são escolhidos os novatos para as equipas) passou para os Toronto Raptors, criados em 1995. Foi eleito rookie do ano em 1999.

A meio de 2004/2005 vai para os New Jersey Nets, de 2009 a 2010 joga nos Orlando Magic, saindo a meio da última época para os Phoenix Suns. Chega aos Dallas Mavericks no ano seguinte, de onde só sai em 2014 para os Memphis Grizzlies. Em 2017/2018 joga nos Sacramento Kings e este ano está em Atlanta. Em termos de equipas, a ordem é esta, mas a história de Vince Carter tem muito mais pontos de interesse, não levasse já duas décadas na liga de basquetebol mais importante e competitiva do mundo.

"Adoro o jogo e competir. Começámos há muitos, muitos anos e foi o que aprendemos. Jogamos por amor e não por dinheiro, já ganhámos suficiente. Se podemos podemos competir a este nível e temos a oportunidade, porque não fazê-lo?", questionava Vince Carter numa entrevista à ESPN em outubro, com Dirk Nowitzki ao seu lado. O alemão, que ainda não jogou devido a lesão, é aos 40 anos o segundo mais velho da liga e vai a caminho de uma série de recordes.

Os afundanços e os três pontos

Half -Man/Half-Amazing (metade homem/metade extraordinário) ou Air Canada foram alcunhas que Vince Carter ganhou dos primeiros anos na NBA, em que saltava de todos os lados para colocar a bola no cesto da forma mais contundente possível: com um afundanço.

Fosse de que maneira fosse, Vince Carter era espetacular e ainda hoje, a poucos meses de completar 42 anos - no próximo mês de janeiro - festeja cada afundanço para lembrar os tempos áureos. Na memória, provavelmente, fica a vez em que saltou literalmente por cima de um "gigante" nos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000. No mesmo ano, ganhou o concurso de afundanços da NBA, numa prestação que muitos consideram histórica e das melhores de sempre.

A verdade é que, apesar do espetáculo, os afundanços valem os mesmos dois pontos que outros lançamentos perto do cesto. Por isso, poderá poderá surpreender que Vince Carter apareça nas listas dos melhores lançadores de... três pontos. Na NBA é oitavo, tendo em conta toda a história da liga, com 2129 triplos conseguidos.

E quando muitos poderiam pensar que a carreira de Vince Carter acabaria com menor "explosividade" e a diminuição esperada da elevação do corpo, o jogador continuou a ter um bom lançamento, que já lá estava, escondido atrás das jogadas de levantar pavilhões.

No início da semana, os Atlanta Hawks foram derrotados no campo dos Charlotte Hornets. Mas, antes do jogo, o Charlotte Observer esteve à conversa com Lloyd Pierce, técnico dos Hawks, precisamente enquanto Vince Carter fazia um exercício bastante simples - mas eficaz - de lançamento de três pontos.

"Pensam no Vince Carter e tudo o que vem à ideia são afundanços e os highlights. Mas já o viram lançar? É inacreditável a facilidade com que ele lança. É um lançamento bonito, sem dificuldade", afirmou Lloyd Pierce.

Já Vince Carter refere que é "muito fácil ir a essa coisa chamada YouTube e ver jogos". "O caminho não estava sempre aberto [para afundar], tive de criar oportunidades com o lançamento e com o conhecimento do jogo", afirmou.

Amor e ódio em Toronto

Vince Carter ajudou a colocar os Toronto Raptor no mapa do basquetebol. Nos primeiro três anos de existência a equipa canadiana tinha 67 vitórias e 179 derrotas. O que mudou? Sim, Vince Carter. Em 2001, já a equipa ganhava a primeira série de playoff frente aos New York Knicks.

No entanto, a relação entra a equipa e o jogador foi azedando e muitos fãs acreditam que, nos últimos tempos com a equipa, Vince Carter não estava a dar o seu melhor. Os números dizem, pelo menos, que a época não estava a ser tão boa como as anteriores.

O jogador pediu para ser trocado no verão de 2004 e na altura do Natal foi mesmo para os New Jersey Nets. Em abril de 2005 regressou a Toronto como adversário, para encontrar um ambiente muito hostil.

Durante quase uma década o ambiente foi de hostilidade e desagrado dos adeptos dos Raptors para com Vince Carter. Só em 2014, quando começaram as celebrações dos 20 anos da equipa e Vince Carter veio jogar a Toronto, é que se fizeram as pazes. Num vídeo de tributo, vários fãs começaram os clássicos assobios, que se transformaram depois em palmas e numa ovação. Vince Carter começou a chorar e tudo ficou sanado.

Vince Carter, que não tem jogado muitos minutos, mas mesmo assim talvez mais do que os esperados, tem até agora uma média de 7.3 pontos, 2.2 ressaltos e uma assistência esta temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.