Vento dificultou primeiro dia de Cliff Diving mas houve espectáculo

Vencedor de 2017, Orlando Duque lesionou-se antes da competição que é liderada pelo polaco Kris Kolanus, com a australiana Rhiannan Iffland a dominar nas senhoras. Finais realizam-se este sábado

O primeiro dia de Cliff Diving nos Açores foi bastante desafiante para os 24 atletas, com o vento a elevar o grau de dificuldade num desafio único nesta competição. No entanto, esse nem foi o principal problema para o vencedor do ano passado. O veterano de 44 anos, Orlando Duque escorregou na zona de descanso dos atletas e sofreu uma luxação num dedo da mão. Sendo um dos atletas mais acarinhados e respeitados do circuito, não é a mesma coisa não ter Duque, mas houve muito espectáculo.

Em 2012, o ilhéu de Vila Franca do Campo foi descoberto por um conjunto de atletas que desafia a gravidade sem medo, saltando das rochas a mais de 20 metros de altura, do mais puro que há neste campeonato tão peculiar. O Cliff Diving pode passar por diferentes locais, mas nenhum é como o de São Miguel, nos Açores, pois só aqui se pode saltar diretamente da rocha.

As plataformas estão lá montadas, a 27 e 21 metros de altura. Porém, a oportunidade de imitar os primórdios deste desporto, então muito longe de imaginar que se tornaria numa competição, é o que mais atrai os atletas, que praticam um pouco de rappel até ao pequeno espaço natural que os permite colocar na posição desejada para o salto. A margem de erro não é muito, já a adrenalina é enorme e o espetáculo leva sempre muitos de barco, motos de água e até canoas até junto do ilhéu para assistir a um evento sem igual, principalmente no dia da final, que é já este sábado.

A particularidade de se poder saltar da rocha é algo que colocou os Açores como uma das paragens preferidas dos participantes. O discurso é comum a todos. Homens e mulheres. "Não há local como este", salientou Gary Hunt, que já venceu por duas vezes nos Açores. O britânico considera que uma das particularidades desta etapa do circuito é o facto de ser mais assustador ir para a plataforma do que propriamente saltar.

"Sabemos que esta etapa é a mais desafiante. Temos de lidar com o vento, com o mar. Podemos estar a entrar na água e se há uma mudança podemos estragar centenas de horas de treino. É algo que não podemos controlar", referiu Steven LoBue, atual líder do ranking e vencedor em Bilbau. Porém, acrescentou que seja onde for: "Qualquer salto é assustador, seja onde for. Qualquer um dirá isso. Se não disser, estará a mentir!"

Para Adriana Jimenez, o melhor é "não pensar muito no vento, nas ondas e fazer o melhor que se pode de cada vez". A mexicana que venceu em 2017 considera-se uma privilegiada por estar nesta competição e não pensa tanto em voltar a ganhar, mas sim em desfrutar todos os momentos.

Um troféu em disputa

Mas claro que não se pode afastar completamente da ideia de que há um título em jogo. E Jimenez até ganhou na primeira etapa, nos Estados Unidos, o que faz dela líder do ranking. Após as duas primeiras rondas nos Açores encontra-se na quarta posição, com 122 pontos. A líder é Rhiannan Iffland, a australiana que tomou o circuito como um furacão em 2016. Era um wildcard e não deu hipóteses à concorrência, tendo repetido o título em 2017. Iffland soma 136,5 pontos, com a britânica Jessica Macaulay em segundo com 123,5.

Enquanto para as senhoras a ilha de São Miguel é a segunda paragem este ano, para os homens é a terceira. O polaco Kris Kolanus foi o melhor esta sexta-feira, tendo 171,4 pontos. LoBue, que venceu nos Açores em 2014, soma 167,2, seguindo-se o campeão em título Jonathan Paredes, do México, com 164. Gary Hunt é quinto, com 159,8.

Este sábado, a terceira ronda arranca às 11:30 para as senhoras e às 12:00 para os homens, mas é opcional. Às 12:33 e 12:55 teremos então as esperadas finais para decidir os vencedores da sétima edição do Red Bull Cliff Diving nos Açores.

Historial da etapa nos Açores

2017: Orlando Duque (Col)/Adriana Jimenez (Mex)

2016: Gary Hunt (GB)/Rhiannan Iffland (Aus)

2015: Gary Hunt (GB)/Cesilie Carlton (EUA)

2014: Steven LoBue (EUA)

2013: Gary Hunt (GB)

2012: Artem Silchenko (Rus)

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.