Serena não é a única. Aqui estão algumas das discussões mais acesas do ténis mundial

A calorosa troca de palavras entre Serena Williams e o árbitro português Carlos Ramos não foi a primeira em que tenista norte-americana se viu envolvida

Correu mundo a discussão acesa deste sábado entre Serena Williams e o árbitro português Carlos Ramos, na final do US Open, que acabou por ser vencida pela japonesa Naomi Osaka.

Contudo, essa situação está longe de ser inédita na elite do ténis mundial e também para a tenista norte-americana. Há nove anos, também no US Open mas numa semifinal diante de Kim Clijsters, Serena foi punida com uma falta durante o match point. "Vou enfiar esta bola na tua garganta, ouviste? Juro por Deus", disse a uma árbitra, acabando por perder o jogo devido a esse desabafo.

Como não há duas sem três, também em 2011 Serena Williams esteve envolvida numa discussão com um árbitro no US Open, mais uma vez numa final, diante de Samantha Stosur. Numa fase em que já tinha perdido o primeiro set e estava em desvantagem no segundo, atirou-se ao árbitro. "Não foste tu que me lixaste da última vez?", desabafou, depois de ter sido punida com uma falta. No final do encontro, que perdeu depois de uma falta no match point, voltou a enfrentar o árbitro. "Nem sequer olhes para mim. Se eu te ver no corredor, nem passes por mim", atirou.

Outra das discussões mais famosas de sempre envolveu John McEnroe e remonta ao torneio de 1981 de Wimbledon. Num jogo da primeira ronda contra Tom Gullikson, McEnroe viu ser-lhe assinalada uma falta, dirigiu-se ao árbitro. subiu o tom de voz e soltou um "you cannot be serious!" [não podes estar a ser sério!] que se tornou viral, ao ponto de essa frase ter sido o título da autobiografia do tenista norte-americano, lançada em 2002.

Outro norte-americano, Andy Roddick, perdeu as estribeiras num jogo da terceira ronda do Australian Open 2008, diante do alemão Philip Kohlschreiber. "Tens ouvidos na tua cabeça? És um idiota. Fica na escola rapaz!", disse ao árbitro, atirando a raquete ao chão logo de seguida, danificando-a.

Também no Australian Open, mas em 2007, Marat Safin ficou furioso com o árbitro depois de o olho de falcão ter confirmado que o juiz se enganou ao assinalar uma bola fora que, afinal, estava dentro. "Porque estás a anular as minhas bolas. Se não tens a certeza, então não assinales. Como vais ter a certeza? Como? Vocês dão-me um aviso, porque eu enervo-me, e depois veem o que acontece, eu não posso discutir convosco e vocês têm todo o poder", soltou, num duelo com Andy Roddick.

Até mesmo o reconhecidamente calmo Roger Federer, também já se enervou com um árbitro. Na final do US Open 2009, diante de Juan Martin Del Potro, o suíço questionou a demora do adversário em fazer o serviço. "Não têm regras para isto. Eu não posso servir após dois segundos. Ele pode tipo 10. Não podem permitir isto", disse, antes de ser mandado calor. "Não me digas para estar calado, ok? Quando eu quiser falar, falo", prosseguiu.

Quem também acumula discussões com árbitros é o bad boy Nick Kyrgios. Há dois anos, no Australian Open, queixou-se de uma música que alegadamente tocava durante o jogo. "Estás bem? Há uma música a tocar enquanto estamos a jogar. Eu disse-te isso sete vezes. Isto é um circo", disparou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".