Serena não é a única. Aqui estão algumas das discussões mais acesas do ténis mundial

A calorosa troca de palavras entre Serena Williams e o árbitro português Carlos Ramos não foi a primeira em que tenista norte-americana se viu envolvida

Correu mundo a discussão acesa deste sábado entre Serena Williams e o árbitro português Carlos Ramos, na final do US Open, que acabou por ser vencida pela japonesa Naomi Osaka.

Contudo, essa situação está longe de ser inédita na elite do ténis mundial e também para a tenista norte-americana. Há nove anos, também no US Open mas numa semifinal diante de Kim Clijsters, Serena foi punida com uma falta durante o match point. "Vou enfiar esta bola na tua garganta, ouviste? Juro por Deus", disse a uma árbitra, acabando por perder o jogo devido a esse desabafo.

Como não há duas sem três, também em 2011 Serena Williams esteve envolvida numa discussão com um árbitro no US Open, mais uma vez numa final, diante de Samantha Stosur. Numa fase em que já tinha perdido o primeiro set e estava em desvantagem no segundo, atirou-se ao árbitro. "Não foste tu que me lixaste da última vez?", desabafou, depois de ter sido punida com uma falta. No final do encontro, que perdeu depois de uma falta no match point, voltou a enfrentar o árbitro. "Nem sequer olhes para mim. Se eu te ver no corredor, nem passes por mim", atirou.

Outra das discussões mais famosas de sempre envolveu John McEnroe e remonta ao torneio de 1981 de Wimbledon. Num jogo da primeira ronda contra Tom Gullikson, McEnroe viu ser-lhe assinalada uma falta, dirigiu-se ao árbitro. subiu o tom de voz e soltou um "you cannot be serious!" [não podes estar a ser sério!] que se tornou viral, ao ponto de essa frase ter sido o título da autobiografia do tenista norte-americano, lançada em 2002.

Outro norte-americano, Andy Roddick, perdeu as estribeiras num jogo da terceira ronda do Australian Open 2008, diante do alemão Philip Kohlschreiber. "Tens ouvidos na tua cabeça? És um idiota. Fica na escola rapaz!", disse ao árbitro, atirando a raquete ao chão logo de seguida, danificando-a.

Também no Australian Open, mas em 2007, Marat Safin ficou furioso com o árbitro depois de o olho de falcão ter confirmado que o juiz se enganou ao assinalar uma bola fora que, afinal, estava dentro. "Porque estás a anular as minhas bolas. Se não tens a certeza, então não assinales. Como vais ter a certeza? Como? Vocês dão-me um aviso, porque eu enervo-me, e depois veem o que acontece, eu não posso discutir convosco e vocês têm todo o poder", soltou, num duelo com Andy Roddick.

Até mesmo o reconhecidamente calmo Roger Federer, também já se enervou com um árbitro. Na final do US Open 2009, diante de Juan Martin Del Potro, o suíço questionou a demora do adversário em fazer o serviço. "Não têm regras para isto. Eu não posso servir após dois segundos. Ele pode tipo 10. Não podem permitir isto", disse, antes de ser mandado calor. "Não me digas para estar calado, ok? Quando eu quiser falar, falo", prosseguiu.

Quem também acumula discussões com árbitros é o bad boy Nick Kyrgios. Há dois anos, no Australian Open, queixou-se de uma música que alegadamente tocava durante o jogo. "Estás bem? Há uma música a tocar enquanto estamos a jogar. Eu disse-te isso sete vezes. Isto é um circo", disparou.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.