Varandas quer mais mulheres em Alvalade

Candidato, apoiado por Rita Ferro Rodrigues, filha do presidente da Assembleia da República, deseja que o sexo feminino seja mais representado. E divulgou ainda a composição da sua lista com João Sampaio como vice para a área jurídica

Frederico Varandas divulgou nesta terça-feira a composição total da sua lista na sua sede de candidatura. Mas, antes de dar relevo a situações relacionadas com o futebol profissional, o candidato mostrou a sua preocupação em conseguir chamar mais mulheres para o Sporting seja "como atletas, sócias, atletas, treinadoras ou diretoras".

Na comunicação distribuída aos jornalistas surge como objetivo da candidatura "atrair mais mulheres". Por isso a vice-presidente com o pelouro da responsabilidade social, inclusão e transparência é, precisamente, uma mulher; Maria Serrano Sancho. Ao todo na lista são quatro mulheres nos três órgãos que se vão submeter a sufrágio a 8 de setembro.

Um dos factos mais assinaláveis da composição da lista tem a ver com João Sampaio, que ainda é presidente da Assembleia Geral da SAD, e em caso de triunfo de Frederico Varandas será o vice-presidente para a área jurídica.

CONSELHO DIRETIVO
Frederico Varandas - Presidente (Futebol e Presidente SAD)
Francisco Zenha - Vice-Presidente (Área Financeira)
Pedro Lancastre - Vice-Presidente (Comercial/Marketing)
João Sampaio - Vice-Presidente (Área Jurídica)
Maria Serrano Sancho - Vice-Presidente (Responsabilidade Social, Inclusão e Transparência)
Filipe Osório de Castro - Vice-Presidente (Património)
Pedro Luciano Silveira - Vogal (Sócios)
Francisco Rodrigues dos Santos - Vogal (Núcleos)
Miguel Afonso - Vogal (Modalidades)
Miguel Nogueira Leite - Vogal (Relações Institucionais)
Rahim Ahamad - Vogal (Internacionalização)
Alexandre Ferreira - Suplente
André Bernardo - Suplente
André Cymbron - Suplente

MESA ASSEMBLEIA GERAL
Rogério Alves - Presidente
Procurador-Geral Adjunto João Palma - Vice-Presidente
Juiz José Manuel Tomé Carvalho - Secretário
Pedro Almeida Cabral - Secretário
José Costa Pinto - Secretário
Maria de Lurdes Mealha - Secretária Suplente
Miguel Vinagre - Secretário Suplente
Ana Rita Cunha Calvão - Secretária Suplente

CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR
Juiz Conselheiro Joaquim Baltazar Pinto - Presidente
João Teives - Vice-Presidente
General Pires Mateus - Membro Efetivo
José Pedro Fezas Vital - Membro Efetivo
Bernardo Foios Simões - Membro Efetivo
Pedro do Ó Ramos - Membro Efetivo
Pedro Cabral Nunes - Membro Efetivo
Vasco Matos - Membro Suplente
Paulo Gorjão - Membro Suplente
Sara Araújo Sequeira - Membro Suplente

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.