Varandas: "Há muitas pessoas que estão habituadas ao Sporting ser um circo"

Presidente leonino comentou esta quarta-feira as declarações de José Maria Ricciardi e garantiu que "empréstimo obrigacionista é uma realidade"

Frederico Varandas comentou esta quarta-feira, à entrada para a cimeira de presidentes da Liga, em Coimbra, as declarações de José Maria Ricciardi, que tinha afirmado que o Sporting está prestes a entrar em pré-falência.

"Há muitas pessoas que estão habituadas ao Sporting ser um circo, um produto televisivo de chacota, mas esse tempo acabou. Será também uma tristeza para alguns, mas o empréstimo obrigacionista é uma realidade e o refinanciamento será feito em novembro, como prometido. Será também uma tristeza para outros, mas o processo das rescisões também serão resolvidos, com base nos interesses do Sporting", vincou o presidente leonino à margem da reunião que decorreu no Convento São Francisco.

O líder dos verde e brancos abordou ainda o tema das rescisões dos futebolistas na sequência da invasão à Academia, referindo que são processos "muito sensíveis" e que esse é um assunto que "não pode ser discutido na praça pública". "O que garanto é que defenderei o Sporting. E isso significa, muitas vezes, estar calado", frisou.

Frederico Varandas lamentou também a derrota de domingo no Algarve, por 2-4 ante o Portimonense: "Perdemos porque fomos piores, não foi por causa da arbitragem ou do cansaço". "E se queremos recuperar os quatro pontos para os líderes, temos de ser melhores em campo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.