Varandas: "Apesar de boicotes e altas traições. não iremos vacilar"

Presidente do clube de Alvalade diz, a propósito do empréstimo obrigacionista, que há quem tente de tudo para derrubar a direção. "Não iremos vacilar, não daremos um passo atrás,", assegurou

"O Sporting precisa de paz e estabilidade. A paz é uma condição básica, imprescindível para vencer", disse hoje à noite Frederico Varandas, presidente do Sporting durante a gala 'Rugidos de Leão' que decorre em Leiria. O dirigente afirmou que não há exemplo de "tanto ruído à volta de um clube como há no Sporting."

Varandas também realçou que "gerir o Sporting não é gerir para bancada nem ser popular", sem nunca se referir ao caso de Alcochete, mas reagiu depois a críticas de sócios ao empréstimo obrigacionista lançado pelo clube e a quem prevê o insucesso da operação.

"Apesar de boicotes, cunhas, altas traições, tentativas inqualificáveis para que não houvesse empréstimo obrigacionista", criticou Varandas, apontando que "diz-se impunemente que a SAD está em falência" e do "recurso a manobras incríveis". "Apesar de tudo isto, conseguimos lançar o empréstimo obrigacionista", disse, para receber aplausos dos associados presentes.E ainda mais fortes quando disse que há quem irá fazer tudo para tentar que a direção falhe. "Vão tentar tudo", afirmou. Mas deixou, no final da intervenção, a garantia: "Não iremos vacilar, não daremos um passo atrás."

Criticou ainda os que diziam que o Sporting não ia ver um euro do caso Rui Patrício. "Recebemos bem mais que um euro", disse, acrescentando que o clube irá negociar com o Atletico de Madrid para resolver a situação da saída de Gelson.

O líder leonino fez um balanço da sua acção desde que foi eleito, com destaque para a referência ao novo treinador Marl Keiser. "Escolhemos treinador pela competência e não pela sua nacionalidade ou popularidade", afirmou, frisando também a aposta na academia, no reforço do departamento médico, na criação de uma nova unidade de perfomance e no reforço do scouting de jogadores. E acrescentou renovações já efetuadas com jogadores e treinadores no andebol, hóquei em patins e futsal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.