Usain Bolt já treina como futebolista dos Central Coast Mariners

O jamaicano, oito vezes campeão olímpico nos 100, 200 e 4x100 metros, efetuou esta terça-feira o seu primeiro treino como jogador da equipa de futebol Central Coast Mariners, da primeira divisão da Austrália.

No dia do seu 32.º aniversário, Bolt cumpriu um sonho que há muito alimentava e, numa conferência de imprensa ao lado do treinador Mike Mulvey, mostrou a sua vontade de deixar o clube "orgulhoso", agradecendo a receção dos seus colegas de equipa.

"A receção foi muito calorosa. Todos me receberam com amor e sinto-me muito respeitado. Pedi para ser tratado como apenas mais um jogador e o treinador explicou-me que não teria tratamento especial", afirmou o jamaicano, que revelou ainda ter recebido convites de outros países europeus para prestar provas, algo que já fez na Alemanha, Noruega e África do Sul.

A estreia de Usain Bolt pelos Mariners pode acontecer no dia 31, com antigo campeão nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016 a admitir que "o primeiro dia de treinos é sempre o mais duro" da preparação, mas sem esconder a ambição de participar pela primeira vez num jogo de futebol oficial.

"Será uma decisão da equipa técnica. Estou aqui para me esforçar ao máximo, veremos se tenho a minha oportunidade", finalizou Bolt, que vai permanecer nos Mariners à experiência por tempo indefinido na esperança de conseguir assinar o primeiro contrato como futebolista.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.