Djokovic diz que tem de merecer a vitória frente ao "lutador" João Sousa

O sérvio, antigo líder do ranking ATP e atual sexto da tabela, elogia combatividade de João Sousa, que irá defrontar nos oitavos de final do US Open em ténis.

Após derrotar o francês Richard Gasquet, Novak Djokovic, sexto do ranking mundial, avaliou o seu próximo adversário em Flushing Meadows. João Sousa, número um nacional e o primeiro português a chegar a uma quarta ronda de um Grand Slam éo obstáculo no caminho do sérvio. E este encara-o como um osso duro de roer.

"Ele teve uma grande vitória hoje [no sábado] frente ao [Lucas] Pouille e há um par de dias diante do [Pablo] Carreno Busta. Ele é um lutador e não dá a vitória, tenho de a merecer", afirmou o antigo líder da hierarquia mundial, que já venceu o 'major' norte-americano duas vezes, em 2011 e 2015.

Djokovic impôs-se a Gasquet, 25.º do 'ranking', por 6-2, 6-3 e 6-3, em duas horas e 13 minutos, marcando encontro com Sousa, que derrotou Pouille, 17.º do mundo, por 7-6 (7-5), 4-6, 7-6 (7-4) e 7-6 (7-5), após três horas e 41 minutos.

Sousa e Djokovic vão disputar a qualificação para os quartos de final do US Open no quinto embate entre ambos. O sérvio venceu todos os quatro anteriores, no US Open em 2013, em Roland Garros em 2014 e 2017 e em Miami em 2016, sem ceder nenhum 'set'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".