Djokovic diz que tem de merecer a vitória frente ao "lutador" João Sousa

O sérvio, antigo líder do ranking ATP e atual sexto da tabela, elogia combatividade de João Sousa, que irá defrontar nos oitavos de final do US Open em ténis.

Após derrotar o francês Richard Gasquet, Novak Djokovic, sexto do ranking mundial, avaliou o seu próximo adversário em Flushing Meadows. João Sousa, número um nacional e o primeiro português a chegar a uma quarta ronda de um Grand Slam éo obstáculo no caminho do sérvio. E este encara-o como um osso duro de roer.

"Ele teve uma grande vitória hoje [no sábado] frente ao [Lucas] Pouille e há um par de dias diante do [Pablo] Carreno Busta. Ele é um lutador e não dá a vitória, tenho de a merecer", afirmou o antigo líder da hierarquia mundial, que já venceu o 'major' norte-americano duas vezes, em 2011 e 2015.

Djokovic impôs-se a Gasquet, 25.º do 'ranking', por 6-2, 6-3 e 6-3, em duas horas e 13 minutos, marcando encontro com Sousa, que derrotou Pouille, 17.º do mundo, por 7-6 (7-5), 4-6, 7-6 (7-4) e 7-6 (7-5), após três horas e 41 minutos.

Sousa e Djokovic vão disputar a qualificação para os quartos de final do US Open no quinto embate entre ambos. O sérvio venceu todos os quatro anteriores, no US Open em 2013, em Roland Garros em 2014 e 2017 e em Miami em 2016, sem ceder nenhum 'set'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.