US Open: Del Potro e Djokovic jogam final e Nadal desiste com lesão

O maiorquino e número um mundial foi o jogador que mais tempo passou em 'court' ao longo da quinzena, ao registar 15 horas e 54 minutos

Juan Martin del Potro e Novak Djokovic apuraram-se na sexta-feira à noite para a final do US Open em ténis, último 'major' da temporada, depois de Rafael Nadal ter desistido na meia-final com uma lesão.

O argentino e número três do 'ranking' mundial liderava a primeira meia-final, pelos parciais de 7-6 (3) e 6-2, quando o tricampeão Rafael Nadal abandonou o Arthur Ashe Sadium com uma lesão no joelho direito.

O maiorquino e número um mundial foi o jogador que mais tempo passou em 'court' ao longo da quinzena, ao registar 15 horas e 54 minutos e disputar os dois encontros mais longos, frente a Karen Kachanov (terceira ronda) e Dominic Thiem (quartos de final), e fisicamente ressentiu-se logo no primeiro 'set' ante Del Potro, que durou uma hora e nove minutos.

"No 2-2 senti algo no joelho e disse à minha equipa que algo se passava. Tentei aguentar para ver se a dor passava, mas não passou", contou o espanhol, de 32 anos.

Já com o joelho enfaixado pela segunda vez, Nadal ainda tentou acompanhar o ritmo mais intenso no segundo 'set' de Del Potro, mas, depois de avisar o árbitro britânico James Keothavong que estaria prestes a abandonar por estar com dores, desistiu de tentar defender o título conquistado há um ano em Flushing Meadows.

"Há alturas em que temos de tomar uma decisão e estava a ser difícil continuar a jogar com tantas dores. No fim, já não era um encontro de ténis. Era apenas alguém a jogar de um lado e no outro uma pessoa a sofrer. Detesto desistir, mas continuar a jogar mais um set assim seria demasiado para mim", confessou o esquerdino.

Já Juan Martin del Potro assegurou o regresso ao derradeiro encontro do US Open, que ganhou em 2009, naquela que é a sua segunda final em torneios do Grand Slam.

"Não é a melhor forma de acabar um encontro. Gosto de jogar com o Rafa porque é um dos maiores lutadores do nosso deporto. Mas não gosto de vê-lo sofrer como hoje. Estou triste por ele, mas, ao mesmo tempo, contente por seguir em frente. A chave do encontro foi o primeiro 'set' em que jogámos bom ténis, foi realmente duro, mas fiz um bom 'tie-break' e comecei a jogar melhor", afirmou o argentino, confessando-se ainda "muito contente por estar na final outra vez."

O próximo adversário de Del Potro é Novak Djokovic que, por 6-3, 6-4 e 6-2, afastou o japonês Kei Nishikori (19.º) para aceder pela 8.ª vez à final do US Open, ganha em 2011 e 2015, e assegurar uma vaga no ATP Finals.

Além de procurar o título em Nova Iorque e o 14.º major da carreira, o sérvio de 31 anos vai discutir agora com o argentino o 3.º posto na hierarquia ATP, atualmente ocupado por Del Potro. Com 2000 pontos em jogo, o vencedor do US Open passa automaticamente a figurar logo após Rafael Nadal (1.º ATP) e Roger Federer (2.º).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.