Uma equipa virtual a torcer por uma equipa de carne e osso

Os For the Win são campeões nacionais do torneio de videojogos da Federação Portuguesa de Futebol. Desta vez e, só para variar, estiveram no Terreiro do Paço a assistir a um jogo real entre a França e a Bélgica

É certo que, a esta altura do Mundial, muitas equipas ficaram pelo caminho, mas o principal só fica decidido este domingo. Até lá ainda há muito para jogar. Os cromos dos videojogos, porém, têm esse assunto mais do que arrumado. Os campeões nacionais são os For the Win, depois de disputarem a final contra o Sporting. Conquistaram a taça da Fifa, em finais de junho, e vieram agora ao Terreiro do Paço, em Lisboa, festejar a vitória. E, para variar, assistir também a um jogo real entre a França e a Bélgica.

Deixaram os desafios virtuais para o próximo torneio da Federação Portuguesa de Futebol. Esta tarde os jogadores estão todos reunidos na Arena Portugal, uns a torcer pelos franceses e outros pelos belgas. Nada de especial, não fizessem eles parte de uma equipa que, durante as competições, nunca se encontram. "Cada um fica na sua casa. São onze a jogar contra outros onze", conta Guilherme Costa.

Amigos de bairro, colegas de trabalho, amigos de amigos, uns a viverem em Lisboa, outros no Porto, em Sintra, na Margem Sul e até na Suíça. Cada um escondido atrás de um comando. Foi assim que derrotaram grandes equipas como como o Braga, Boavista, Tondela ou Paços de Ferreira: "É um jogo solitário, tal como a maioria dos videojogos", explica Guilherme. Consertam táticas e jogadas à distância do skype, festejam vitórias e ultrapassam os fracassos sem mais ninguém ao lado. E, depois, para se vingarem de toda esta solidão, combinam jantares e almoços aos fins de semana. Desta vez o convívio é a ver a bola com jogadores de carne e osso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.