Uma equipa virtual a torcer por uma equipa de carne e osso

Os For the Win são campeões nacionais do torneio de videojogos da Federação Portuguesa de Futebol. Desta vez e, só para variar, estiveram no Terreiro do Paço a assistir a um jogo real entre a França e a Bélgica

É certo que, a esta altura do Mundial, muitas equipas ficaram pelo caminho, mas o principal só fica decidido este domingo. Até lá ainda há muito para jogar. Os cromos dos videojogos, porém, têm esse assunto mais do que arrumado. Os campeões nacionais são os For the Win, depois de disputarem a final contra o Sporting. Conquistaram a taça da Fifa, em finais de junho, e vieram agora ao Terreiro do Paço, em Lisboa, festejar a vitória. E, para variar, assistir também a um jogo real entre a França e a Bélgica.

Deixaram os desafios virtuais para o próximo torneio da Federação Portuguesa de Futebol. Esta tarde os jogadores estão todos reunidos na Arena Portugal, uns a torcer pelos franceses e outros pelos belgas. Nada de especial, não fizessem eles parte de uma equipa que, durante as competições, nunca se encontram. "Cada um fica na sua casa. São onze a jogar contra outros onze", conta Guilherme Costa.

Amigos de bairro, colegas de trabalho, amigos de amigos, uns a viverem em Lisboa, outros no Porto, em Sintra, na Margem Sul e até na Suíça. Cada um escondido atrás de um comando. Foi assim que derrotaram grandes equipas como como o Braga, Boavista, Tondela ou Paços de Ferreira: "É um jogo solitário, tal como a maioria dos videojogos", explica Guilherme. Consertam táticas e jogadas à distância do skype, festejam vitórias e ultrapassam os fracassos sem mais ninguém ao lado. E, depois, para se vingarem de toda esta solidão, combinam jantares e almoços aos fins de semana. Desta vez o convívio é a ver a bola com jogadores de carne e osso.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.