Um jogo à porta fechada para Benfica, Sp.Braga e P. Ferreira

Clubes podem recorrer para o pleno do Conselho de Disciplina, que suspende a pena, mas decide num prazo muito célere.

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol puniu esta terça-feira o Benfica, o Sp. Braga e o Paços de Ferreira, clube que milita agora na II Liga, com um jogo à porta fechada.

Esta medida deverá tardar a ser aplicada, ou pode mesmo nunca ser cumprida, pois é natural que os clubes recorram para o pleno do CD, o que suspende automaticamente a pena.

Esta instância de recurso costuma decidir num prazo muto célere, mas se a decisão se mantiver qualquer um dos três clubes pode apelar para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) mas aqui, para manterem a suspensão da aplicação da pena, necessitam de interpor uma providência cautelar. Caberá ao TAD aceitar a providência cautelar, se não for aceite ao jogo à porta fechada será cumprido de imediato.

Cada caso é um caso e no que diz respeito ao Benfica esta pena tem a ver com reincidência no arremesso perigoso de objetos com interferência no decurso da partida. O Benfica já tinha sido multado devido a desacatos provocados pelos seus adeptos nos jogos realizados em Tondela, Portimão e, curiosamente, Paços de Ferreira.

Este castigo não tem a ver com um outro sancionado pelo Instituto Português do Desporto e Juventude que considerou que o Benfica apoia as suas claques que, como se sabe, não estão legalizadas.

O Benfica tem agora dois recursos a correr sobre duas penas distintas, de órgãos diferentes, e que sancionam o clube (ou melhor, a SAD) a disputar duas partidas à porta fechada.

No caso do Sp. Braga o objeto do castigo teve lugar na receção ao Sporting ao passo que a sanção ao Paços de Ferreira foi originada pelo mau comportamento dos seus adeptos quando o Belenenses se deslocou à Mata Real.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."