Ultramaratonista desiste de corrida entre Barcelona e Faro

Atleta não aguentou as dores que sentiu na planta dos pés e nas articulações

Em julho o ultramaratonista João Paulo Félix, natural de Várzea da Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, pretendia correr mais de 800 quilómetros em trilhos de montanha entre Barcelona e Faro, passando por cidades como Tarragona, Valência, Jaén, Córdoba, Sevilha, Huelva e Faro. No entanto, o atleta ribatejano não conseguiu fazer a prova até ao fim, tendo desistido na última segunda-feira, ao fim de 200 quilómetros.

"Desisti aos 200 km. O corpo não aguentou a vontade da mente. Não aguentei as fortes dores na planta dos pés e nas articulações. Num desafio destes não é possível continuar. É tempo de refletir, mas sobretudo de descansar. Nos últimos quatro anos tenho estado sempre em competição/desafios, e sinto que o corpo e a mente precisam de descanso", escreveu Félix no Facebook.

O objetivo deste desafio seria promover o blogue Claramente Asperger, sobre esta síndrome relacionada com o autismo. Esta não foi a primeira prova solidária do atleta. Em agosto de 2017 percorreu os 739 quilómetros da Estrada Nacional 2, entre Chaves e Faro, numa jornada que durou 14 dias. Em dezembro do mesmo ano fez a Volta ao Ribatejo, numa extensão de 280 quilómetros.

Em agosto de 2017 João Paulo Félix disse ao jornal ribatejano O Mirante que pretendia associar cada uma das suas provas com mais de 42 quilómetros a uma causa solidária.

O atleta irá agora se focar no regresso às corridas no próximo fim de semana. Assim, no dia 25 de agosto, sábado, participa pela terceira vez na caminhada "10 km de Tagarro", perto de Alcoentre, Azambuja, enquanto no domingo, dia 26, percorre os "Trilhos do Valado", em Valado dos Frades, Nazaré.

Antes das provas, João Paulo Félix faz uma peregrinação de bicicleta até Fátima, numa distância de 210 quilómetros para renovar a fé e a esperança e pensar no seu projeto de vida, tendo partido esta terça-feira da Igreja do Espírito Santo, em Alenquer.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.