Ultramaratonista desiste de corrida entre Barcelona e Faro

Atleta não aguentou as dores que sentiu na planta dos pés e nas articulações

Em julho o ultramaratonista João Paulo Félix, natural de Várzea da Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, pretendia correr mais de 800 quilómetros em trilhos de montanha entre Barcelona e Faro, passando por cidades como Tarragona, Valência, Jaén, Córdoba, Sevilha, Huelva e Faro. No entanto, o atleta ribatejano não conseguiu fazer a prova até ao fim, tendo desistido na última segunda-feira, ao fim de 200 quilómetros.

"Desisti aos 200 km. O corpo não aguentou a vontade da mente. Não aguentei as fortes dores na planta dos pés e nas articulações. Num desafio destes não é possível continuar. É tempo de refletir, mas sobretudo de descansar. Nos últimos quatro anos tenho estado sempre em competição/desafios, e sinto que o corpo e a mente precisam de descanso", escreveu Félix no Facebook.

O objetivo deste desafio seria promover o blogue Claramente Asperger, sobre esta síndrome relacionada com o autismo. Esta não foi a primeira prova solidária do atleta. Em agosto de 2017 percorreu os 739 quilómetros da Estrada Nacional 2, entre Chaves e Faro, numa jornada que durou 14 dias. Em dezembro do mesmo ano fez a Volta ao Ribatejo, numa extensão de 280 quilómetros.

Em agosto de 2017 João Paulo Félix disse ao jornal ribatejano O Mirante que pretendia associar cada uma das suas provas com mais de 42 quilómetros a uma causa solidária.

O atleta irá agora se focar no regresso às corridas no próximo fim de semana. Assim, no dia 25 de agosto, sábado, participa pela terceira vez na caminhada "10 km de Tagarro", perto de Alcoentre, Azambuja, enquanto no domingo, dia 26, percorre os "Trilhos do Valado", em Valado dos Frades, Nazaré.

Antes das provas, João Paulo Félix faz uma peregrinação de bicicleta até Fátima, numa distância de 210 quilómetros para renovar a fé e a esperança e pensar no seu projeto de vida, tendo partido esta terça-feira da Igreja do Espírito Santo, em Alenquer.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.