Tribunal vai decidir se árbitros podem usar 'spray' no futebol

Tribunal do Rio de Janeiro já anunciou uma primeira decisão a favor de jornalista e mineiro que dizem serem os autores do sistema. FIFA recorreu

Os árbitros de futebol podem deixar de usar o spray para assinalar o local de formação de uma barreira ou de uma falta se vingar uma providência cautelar apresentada num tribunal do Rio de Janeiro (Brasil).

Um jornalista argentino, Pablo Silva, e um mineiro, Heine Allemagne, defendem que foram os autores deste sistema de spray e exigem que a FIFA reconheça a "autoria da invenção", explicou ao site da ESPN Pablo Silva.

O spray tem sido utilizado desde o Campeonato do Mundo de 2014, que teve lugar no Brasil, e é já considerado uma parte do jogo.

Usado para marcar o local de uma falta ou de uma barreira em caso de livre, agora pode ser proibida sua utilização a nível mundial caso a FIFA perca o recurso que apresentou.

A medida cautelar pedida vigorará em 44 países e a FIFA terá de pagar 13 mil euros por cada jogo em que o equipamento seja usado.

"Desenvolvemos uma medida que, assim como o sistema de videoarbitragem (VAR), pode decidir um Mundial. Trouxemos um sistema que resolve um grande problema e não é justo não só não o pagar como não o reconhecer", disseram esta quinta-feira os dois alegados inventores.

Pablo Silva garantiu ainda que sempre tentaram chegar a "um acordo com a FIFA".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.