Três grandes do norte. Regresso frio de Bonucci à Juve

Leonardo Bonucci volta a Turim depois de um ano no AC Milan e de ter começado a carreira no Inter. Foi o 11.º jogador do calcio a representar os três grandes do norte. Para Milão seguiram Higuaín (18 milhões+36 milhões) e Caldara.

Leonardo Bonucci esteve ligado quatro épocas ao Inter, mas só fez quatro jogos por um dos três gigantes do norte. Em 2010, foi para Turim e ganhou seis campeonatos consecutivos, falhando o hepta porque decidiu ir para o AC Milan há um ano. Tempo de sobre para querer voltar à Juventus. Na história do calcio, é o 11.º jogador a representar os três grandes do norte.

O negócio entre a Juventus e o Milan explica-se pela vontade do jogador em regressar a Turim e o interesse do Milan num goleador com cerca de 20 golos por época: Gonzalo Higuaín. Os dois emblemas puseram-se a pensar em como resolver a disparidade de cotações (Higuaín custou 90 milhões de euros há dois anos, oriundo do Nápoles; Bonucci estava avaliado em 40 milhões de euros).

Entrou Caldara, contratado à Atalanta há um ano e lá deixado a rodar. Na prática, os dois clubes trocaram defesa por defesa, mas o Milan pagará 18 milhões de euros por um ano de empréstimo do ponta-de-lança argentino, tendo de pagar mais 36 milhões de euros em 2019 para ficar com o passe. A saída de Higuaín está relacionada com a chegada de Cristiano Ronaldo, que a Juve contratou por 114 milhões de euros ao Real Madrid.

Bonucci teve uma receção fria no regresso a Turim, sem adeptos a esperá-lo no aeroporto. Apesar de ser um clássico a troca de emblemas nos chamados três grandes do norte (Juventus, Inter e Milan), os adeptos dos bianconeri não parecem ainda em condições de desculpar a "traição" de Bonucci. Talvez quando a sua qualidade fizer diferença no eixo defensivo da equipa de Massimiliano Allegri.

11 jogadores nero-bianco-rosso-azzurro

A história de jogadores a representarem os três maiores do norte de Itália começa bem longe, na segunda e terceira décadas do século XX. Luigi Cevenini estreou-se no Milan em 1911, mas um ano depois vai para o rival Inter. Em 1915, volta ao Milan, até 1919. Joga ainda mais duas vezes no Inter (1919-1921 e 1922-1927) antes de completar o ciclo de ouro do norte. De 1927 a 1930, joga pela Juventus.

O segundo foi o grande Giuseppe Meazza (que ficou conotado de tal forma com o Inter que os adeptos do Milan chamam S. Siro, bairro onde está localizado, ao estádio partilhado com o vizinho batizado com o nome do jogador). Meazza esteve no Inter 14 anos (1927-1940 e 1946/47). Pelo meio, o AC Milan (1940-1942) e a Juventus (1942/43).

Por essa altura, Enrico Candiani desenhava uma carreira que passaria pelos neroazzurro (Inter), nerorosso (AC Milan) e bianconero (Juventus). Esteve no Inter de 1938 a 1946, na Juventus em 1946/47 e no Milan em 1949/50.

Um salto de 35 anos leva-nos aos anos oitenta e a Aldo Serena. Começa no Inter em 1978, é emprestado a três clubes, o último o Milan, que em 1982 estava na Série B. Em 1985 rompe com os nerazzurro e vai para a Juventus. Em 1987, volta ao Inter e termina a carreira no Milan, jogando até 1993. Nota: é o único que foi campeão pelos três. Juventus (1985/86), Inter (1988/89) e Milan (1991/92 e 1992/93).

E agora, Roberto Baggio. Chega à Juventus em 1990 depois de se valorizar na Fiorentina. Ganha a Bola de Ouro e o scudetto. Em 1995-1997, joga no Milan. Faz uma curta escala em Bolonha, antes de se mudar para o Inter em 1998, ficando até 2000.

O primeiro não-italiano a fazer os três grandes do norte foi Edgar Davids. E só não foi feliz em Milão, começando no Milan (1996/97). Em 1997, muda-se para a grande Juventus de Lippi (três campeonatos: 1997/98, 2001/02 e 2002/03), saindo em 2004 para uma curta passagem no Barcelona e fazendo uma época no Inter.

E o segundo foi Patrick Vieira. Sai do Cannes para o Milan (1995/96), mas tal como o holandês não é feliz. Muda-se para Londres e torna-se num ícone do Arsenal (1996-2005: três campeonatos, quatro Taças e três Taças da Liga). Em 2005-2006, passa discretamente na Juventus e muda-se para o Inter, permanecendo quatro anos antes de se mudar para os Estados Unidos (New York City).

Chega a vez de Christian Vieri, que passou por 13 clubes. A Juve em 1996/97 e o Inter entre 1999-2005. Com surpresa, troca de rivais dentro da mesma cidade e estádio, mas em 2005/2006 faz apenas 14 jogos pelo Milan e vai para o Mónaco.

Outro grande jogador italiano fez o percurso dos três grandes do norte: Andrea Pirlo. Começa no Inter, onde faz duas épocas (1998/99 e 2000/01), entremeadas por dois empréstimos, e tem o pior período. Em 2001, inicía uma fase dourada de dez temporadas no Milan: dois campeonatos, uma Taça, uma supertaça, duas Champions League, uma Supertaça europeia e um Mundial de clubes. Em 2011, ainda mantinha a fome de ganhar e vai para a Juventus conquistar quatro scudettos, uma Supertaça e uma Taça de Itália.

Zlatan Ibrahimovic podia ser, como Serena, o segundo jogador a ser campeão pelos três. Foi-o no campo pela Juventus nas duas épocas em Turim (2004-2005 e 2005-2006), mas o Calciopoli (escândalo de corrupção que rebaixou a Juve à Série B) retirou esses títulos aos bianconeri. Entre 2006 e 2009, ganhou três campeonatos pelo Inter. Uma época amarga no Barcelona fê-lo regressar a Itália e a Milão. Mas ao Milan, sagrando-se campeão em 2010/2011.

E fechando o ciclo de um onze de luxo, Bonucci. Inter de 2005 a 2009, e mesmo jogando pouco (e tendo rodado em dois clubes) foi campeão em 2005/2006. Após uma temporada em Bari, chega à Juventus em 2010. Até 2017, ganha seis scudettos, três Taças de Itália e uma Supertaça italiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.