Torres Pereira responde a Dias Ferreira e garante imparcialidade

Presidente da Comissão de Gestão diz que não lhe cabe proceder a condenações ou absolvições públicas face aos dirigentes que saíram para a lista de José Maria Ricciardi

Dias Ferreira pediu explicações ao presidente da Comissão de Gestão do Sporting e Artur Torres Pereira já deu resposta. Em comunicado publicado esta segunda-feira, o líder do atual órgão que gere o clube leonino garante ao candidato "rigorosa imparcialidade" em relação ao processo eleitoral em curso e recusa tomar posição pública sobre o facto de dois ex-dirigentes da Comissão se terem demitido de funções para passar a integrar a lista de José Maria Ricciardi.

Recorde-se que os dois elementos em causa são Jorge Guarita e Alexandre Cavalleri, cuja resignação e posterior adesão à candidatura do banqueiro levaram Dias Ferreira a enviar uma carta a Artur Torres Pereira pedindo explicações e garantias de imparcialidade, recordando uma frase do presidente da Comissão da Gestão na conferência de imprensa realizada a 24 de junho, após iniciar funções. "Nenhum membro desta Comissão de Gestão aceitará integrar qualquer lista concorrente às próximas eleições", garantiu então Torres Pereira.

Ora, agora, em resposta à carta de Dias Ferreira, o líder da Comissão de Gestão assegura que este órgão, "qualquer que seja a sua composição, manterá durante o período de campanha eleitoral a mesma rigorosa imparcialidade que manteve no período imediatamente anterior, pois ela decorre da honra e da responsabilidade de servir o Sporting Clube de Portugal e não qualquer fação sua".

Quanto ao pedido de Dias Ferreira para "condenar publicamente" a atitude dos dois dirigentes demissionários, Artur Torres Pereira recusa-o e explica: "Sendo as pessoas livres de tomarem as decisões que entendem, não cabe à Comissão de Gestão assumir as responsabilidades de terceiros nem ao seu Presidente proceder a julgamentos comportamentais ou a 'condenações ou 'absolvições' públicas."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.