Tondela empata em casa com Rio Ave e continua sem vencer

Vila-condenses estiveram a ganhar, com golo de Galeno na primeira parte, mas Sergio Peña empatou para os beirões no segundo tempo, em partida da 3.ª jornada da I Liga

Depois de Vitória de Guimarães e Nacional se terem estreado a ganhar à 3.ª jornada, o Tondela continua a ser uma das quatro equipas ainda sem triunfos na I Liga, juntamente com Santa Clara, Desp. Aves e Portimonense, ao empatar este domingo em casa com o Rio Ave (1-1).

Os vila-condenses foram a primeira equipa a marcar, por Galeno (17 minutos), que recebeu um passe de Gelson Dala e contornou o guarda-redes Cláudio Ramos antes de rematar para a baliza deserta.

O conjunto orientado por José Gomes chegou a apontar um segundo golo, por Gelson Dala, mas foi anulado por fora de jogo (24').

Os beirões melhoraram de produção no segundo tempo e chegaram à igualdade aos 57 minutos, através de um remate colocado de Sergio Peña à entrada da área.

Já nos derradeiros minutos da partida (90+1'), o avançado tondelense Tomané foi expulso devido a protestos.

Com este resultado, o Rio Ave passa a somar quatro pontos e iguala Boavista e Sp. Braga, que ainda este domingo recebe o Desp. Aves (20.30), na sexta posição. O Tondela amealha o segundo ponto e iguala o Santa Clara no 15.º lugar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?