Tiago Fernandes: "FC Porto está em primeiro e tem o melhor treinador"

O treinador do Desportivo de Chaves admitiu esta sexta-feira que a receção ao FC Porto, na sexta-feira, será "um bom teste" ao momento da equipa, após o regresso às vitórias na I Liga portuguesa.

"Vamos estar à prova durante os 90 minutos e, depois de quatro jogos sem perder, é um bom jogo para testar aquilo que valemos", confessou o técnico do clube transmontano, na conferência de antevisão ao jogo frente aos dragões, sexta-feira, às 19.00, em Chaves, para a 18.ª jornada do escalão principal.

O emblema de Trás-os-Montes, que divide o último lugar com o Desportivo das Aves, com 12 pontos, recebe o líder da prova, que soma 43, num ciclo de quatro jogos sem perder, três para a I Liga e um para a Taça da Liga, e depois de ter regressado às vitórias no campeonato 11 jogos depois, ao vencer em casa o Tondela, por 2-1.

Para Tiago Fernandes, que atribui o favoritismo ao FC Porto, há "diferenças entre as duas equipas", destacando o "ritmo competitivo" que o adversário consegue imprimir na partida, como "a velocidade do passe, circulação da bola e aspetos individuais em determinados momentos".

"Tudo faremos para levar alguma coisa do jogo, sabendo que o FC Porto é neste momento a melhor equipa do campeonato português, a que está mais forte, porque está em primeiro e tem o melhor treinador", analisou, confessando que os pontos fortes da sua equipa serão "o fator casa e a vontade de somar pontos".

Além do duelo dentro de campo, no banco de suplentes Tiago Fernandes vai defrontar um treinador que admira pela "forma como ao longo da sua carreira foi lutando pelos seus objetivos".

"O Sérgio Conceição é um exemplo para mim como treinador, pai e amigo. Ele tem mau perder, eu também tenho, e ninguém vai querer perder, mas depois do jogo seremos amigos como o normal", garantiu.

O calendário apertado de jogos nos campeões nacionais em título não foi valorizado pelo técnico de 37 anos, lembrando que "nas duas últimas semanas o número de jogos entre FC Porto e Chaves não é assim tão diferente" e que a profissão de futebolista é jogar "duas ou três vezes por semana".

Também as baixas no plantel flaviense foram desvalorizadas por Tiago Fernandes, que garante não servirem de desculpa para o que o grupo de trabalho pretende da partida.

"O facto de não contarmos com quatro jogadores titulares do último jogo apenas serve para dar oportunidades a outros de mostrarem o seu valor e eu saber que posso contar com eles", destacou.

O defesa brasileiro Marcão, transferido para o Galatasaray, da Turquia, e o médio português Stephen Eustáquio, que rumou ao Cruz Azul, do Médico, são baixas face à última jornada, assim como o defesa Paulinho, que terá de cumprir um jogo de castigo, e o atacante Rúben Macedo, que está emprestado pelo FC Porto e não pode ser utilizado por esse motivo. Os médios João Teixeira e Ghazaryan foram também confirmados como ausências pelo treinador, por lesão.

Tiago Fernandes garantiu estar "feliz" pelas saídas de Marcão e Eustáquio, explicando que "faz parte da profissão quando os jogadores se destacam terem algum assédioW, e elogiando os negócios "bons para o clube e para os jogadores".

Os transmontanos reforçaram-se durante a semana com o defesa Calasan, da Sérvia, contratado ao Spartak Subotica, e os médios Erdem Sen, da Turquia, ex- Ankaragücü, e Costinha, português ex-Vitória de Setúbal, mas o técnico não garantiu a sua disponibilidade "por motivos burocráticos".

"Sei que estão preparados para jogar, mas se vão jogar ainda é uma incógnita", atirou Tiago Fernandes, que não divulgou a lista de convocados. O plantel do Desportivo de Chaves treina sexta-feira, dia do jogo, às 10:30, no Complexo Desportivo Francisco Carvalho, em Chaves, à porta fechada.

O Desportivo de Chaves, que divide o último lugar do campeonato com o Desportivo das Aves, com 12 pontos, defronta sexta-feira, às 19.00, o líder da prova, o FC Porto, com 43, em encontro da 18.ª jornada da I Liga portuguesa, no Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.