Thierry Henry recusa oferta para treinar o Bordéus

O presidente dos girondinos, Stéphane Martin, confirmou esta terça-feira que o antigo avançado, em negociações há quase uma semana com o clube francês, recusou a oferta

A falta de garantias exigidas por Thierry Henry ao fundo de investimento norte-americano GACP, que deverá tornar-se proprietário do Bordéus no final de setembro, terá sido a principal razão da recusa.

Apesar de sua inexperiência como treinador principal, Thierry Henry, de 41 anos, esteve em evidência no Mundial 2018, na Rússia, como assistente do selecionador belga Roberto Martinez, e era o pretendido para suceder a Gustavo Poyet.

Campeão mundial em 1998 e europeu em 2000 pela seleção gaulesa, Henry destacou-se como futebolista com as camisolas de Mónaco (1995/98), Juventus (1998/99), Arsenal (1999/2007) e FC Barcelona (2007/2010). Terminada a carreira tornou-se comentador desportivo.

Henry, de acordo com os órgãos de comunicação franceses, terá exigido ao clube um elevado reforço financeiro e a contratação imediata de, pelo menos, três jogadores até ao fecho do mercado de transferências, na sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.