FC Porto nunca conseguiu vencer o Sporting na Taça da Liga

As duas equipas disputam neste sábado a final da competição. Nos três embates anteriores na Taça da Liga, o Sporting venceu um jogo e empatou outros dois, um deles depois transformado em triunfo nas grandes penalidades.

O Sporting está invicto face ao FC Porto em jogos a contar para a Taça da Liga em futebol, com um triunfo e dois empates, um 'transformado' em vitória nos penáltis, em vésperas do quarto embate, na final da competição que se realiza neste sábado.

Os leões superaram os dragões em duas meias-finais, por 4-1 em Alvalade, em 2008/09, e por 4-3 nos penáltis, após 0-0 nos 90 minutos, na época passada, tendo-se registado em 2013/14 outro embate sem golos em embate da terceira fase.

O primeiro encontro aconteceu em 4 de fevereiro de 2009, em Alvalade, com Paulo Bento, então treinador dos leões, a fazer algumas alterações no habitual onze dos leões, enquanto Jesualdo Ferreira revolucionou o dos dragões, colocando apenas um titular do jogo anterior.

O resultado foi uma vitória clara do Sporting, mas num encontro que começou, praticamente, com o tento, que viria a ser o único, dos forasteiros, obra do marroquino Tarik Sektioiu, aos 10 minutos, após distração da defesa 'leonina'.

Duas grandes penalidades, após faltas desnecessárias de Pedro Emanuel, aos 36 minutos, e do romeno Sapunau, aos 48, permitiram ao argentino Leandro Romagnoli dar a volta ao resultado.

Na parte final, o suplente Derlei, ex-jogador do FC Porto, bisou e sentenciou o triunfo dos leões, servido pelo calcanhar do montenegrino Simon Vukecevic, aos 66 minutos, e por Pereirinha, aos 80.

Perante escassos 17.748 espetadores, o Sporting garantiu um lugar na final da Taça da Liga, que perderia, no Algarve, face ao Benfica, no desempate por grandes penalidades (2-3, após 1-1 nos 90 minutos regulamentares).

Na mais jovem das provas do calendário luso, que vai na 12.ª edição, 'leões' e 'dragões' defrontaram-se pela segunda vez em 2013/14, empatando a zero em Alvalade, em encontro da primeira jornada da fase de grupos, a 29 de dezembro de 2013.

A igualdade, que teve como principal responsável o guarda-redes forasteiro Fabiano, acabou por ser favorável ao FC Porto, que venceu o Grupo B com mais um golo marcado do que o Sporting (7-2 contra 6-1).

O apuramento dos portistas acabou por ser selado, com muita polémica, aos 90+6 minutos do último jogo, quando o brasileiro Josué converteu uma grande penalidade que valeu um triunfo por 3-2 na receção ao Marítimo.

Os 'dragões' seguiram para as meias-finais, nas quais cairiam em casa perante o Benfica, ao perderem por 4-3 no desempate por grandes penalidades, depois de 0-0 nos 90 minutos.

Na época passada, o embate, a contar para as meias-finais, disputou-se em campo neutro, em Braga, e, pela segunda vez consecutiva, chegou ao final dos 90 minutos sem golos.

O apuramento para a final fez-se no desempate por penáltis, com o Sporting a impor-se por 4-3, num duelo que se decidiu no 'mata-mata': com 3-3 no marcador, após cinco pontapés para cada lado, Brahimi atirou aos ferros e Brian Ruiz não perdoou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.