Suspeitas de fraude no futebol belga levam 22 pessoas a tribunal

Um total de 28 pessoas foram interrogadas pela polícia, 22 das quais terão de se apresentar em tribunal até sexta-feira, no âmbito de uma vasta operação de combate à fraude no futebol belga, informou esta quinta-feira o ministério público.

O juiz encarregado do processo emitiu também mandados internacionais para a detenção de duas pessoas suspeitas, que foram interrogadas em outros países, precisaram porta-vozes do Ministério Público, uma conferência de imprensa realizada em Bruxelas.

Entre as pessoas detidas para interrogatório estão um árbitro e vários dirigentes de clubes belgas, na sequência de uma investigação que abrangeu, além da Bélgica, mais seis países: França, Luxemburgo, Chipre, Montenegro, Sérvia e Macedónia.

A operação, desencadeada por suspeita de branqueamento de capitais, corrupção e fraude desportiva, envolve pessoas ligadas a nove clubes belgas, designadamente, Anderlecht, Club Brugge, Genk, Kortrijk, Malines, Ostende, Lokeren, Gent e Standard Liège.

A investigação teve como base um relatório da Unidade de Fraude Desportiva da Polícia Federal, de 2017, que revelou indícios de transações suspeitas na principal competição belga de futebol.

O escândalo foi revelado publicamente na quarta-feira, quando o ministério público belga anunciou que a polícia realizou cerca de 60 buscas por suspeitas de fraudes relacionadas com transferência de jogadores e manipulação de resultados na liga de futebol da Bélgica.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.