Suspeitas de fraude no futebol belga levam 22 pessoas a tribunal

Um total de 28 pessoas foram interrogadas pela polícia, 22 das quais terão de se apresentar em tribunal até sexta-feira, no âmbito de uma vasta operação de combate à fraude no futebol belga, informou esta quinta-feira o ministério público.

O juiz encarregado do processo emitiu também mandados internacionais para a detenção de duas pessoas suspeitas, que foram interrogadas em outros países, precisaram porta-vozes do Ministério Público, uma conferência de imprensa realizada em Bruxelas.

Entre as pessoas detidas para interrogatório estão um árbitro e vários dirigentes de clubes belgas, na sequência de uma investigação que abrangeu, além da Bélgica, mais seis países: França, Luxemburgo, Chipre, Montenegro, Sérvia e Macedónia.

A operação, desencadeada por suspeita de branqueamento de capitais, corrupção e fraude desportiva, envolve pessoas ligadas a nove clubes belgas, designadamente, Anderlecht, Club Brugge, Genk, Kortrijk, Malines, Ostende, Lokeren, Gent e Standard Liège.

A investigação teve como base um relatório da Unidade de Fraude Desportiva da Polícia Federal, de 2017, que revelou indícios de transações suspeitas na principal competição belga de futebol.

O escândalo foi revelado publicamente na quarta-feira, quando o ministério público belga anunciou que a polícia realizou cerca de 60 buscas por suspeitas de fraudes relacionadas com transferência de jogadores e manipulação de resultados na liga de futebol da Bélgica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?