Tomás Fernandes avança na Ericeira, Miguel Blanco eliminado

O surfista português apurou-se esta terça-feira para a terceira ronda da etapa da Ericeira, do circuito mundial de qualificação, enquanto o compatriota Miguel Blanco acabou por ser eliminado da prova disputada na praia de Ribeira D'Ilhas.

Com 12,7 pontos, Tomás Fernandes venceu a 15.ª bateria, superiorizando-se ao italiano Leonardo Fioravanti (11), ao brasileiro Jesse Mendes (8,64) e ainda ao costa-riquenho Noe Mar McGonagle (8,46).

Após a vitória no segundo dia de competição, em que apenas se realizaram nove heats, o surfista da Ericeira mostrou-se satisfeito pelo desempenho na onda que considera ser umas das melhores do mundo.

"Estou feliz por avançar no evento e espero conseguir fazer ainda melhor no próximo heat. As ondas estavam demoradas e o sete que tive na minha primeira onda deu-me logo a liderança. Esta é uma onda muito especial para mim e considero-a uma das melhores do Mundo", resumiu o atual 158º do ranking de qualificação.

Para a terceira ronda, o português já conhece o nome de dois dos três adversários que vai enfrentar, o norte-americano Ian Crane e o australiano Soli Bailey.

Já Miguel Blanco, 94.º da hierarquia de qualificação, teve uma bateria para esquecer na praia de Ribeira D´Ilhas, não fazendo melhor do que 9,33 pontos e consequente quatro lugar do 13ª heat, atrás do japonês Kanoa Igarashi, primeiro, com 15, Soli Bailey, segundo, com 12,30, e do havaiano Joshua Moniz, que obteve 11,90.

Os portugueses Frederico Morais e Vasco Ribeiro ainda não competira, mas Kikas já sabe que vai defrontar, no 21.º heat, o francês Charly Martin, o australiano Davey Cathels e o brasileiro Lucas Silveira e Vasco vai enfrentar, no 24.º, os brasileiros Willian Cardoso e Flavio Nakagima e o australiano Kalani Ball.

O EDP Billabong Pro Ericeira, cujo período de espera termina no domingo, é uma das três etapas portuguesas do circuito mundial de qualificação e a mais valiosa, com 10.000 pontos.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.