Sturaro será o 6.º italiano nos leões. Nenhum desapontou

Médio da Juventus junta-se ao compatriota Viviano no plantel de José Peseiro e a outros quatro futebolistas transalpinos que já jogaram de leão ao peito

Steafano Sturaro está prestes a tornar-se o sexto futebolista italiano da história do Sporting. Proveniente da Juventus, a título de empréstimo, vai juntar-se ao guarda-redes Emiliano Viviano às ordens de José Peseiro e a outros quatros compatriotas na lista de transalpinos que atuaram de leão ao peito.

O primeiro nativo do país da bota a vestir de verde e branco (e o único campeão...) e na I Liga foi o antigo extremo esquerdoIvone De Franceschi, que tal como Sturaro, também chegou a Alvalade por empréstimo, mas do Veneza, em 1999/00, época em que foi quebrado um jejum de 18 anos sem o título nacional. Atuou em 30 jogos, 20 enquanto titular, e apontou três golos.

15 anos depois da única época do esquerdino em Portugal, o médio Alberto Aquilani aterrou em Lisboa proveniente da Fiorentina. Viveu na sombra da dupla composta por William Carvalho e Adrien Silva e nunca se impôs como titular, mas mostrou serviço sempre que foi chamado a jogar e, em 32 encontros (metade a titular), apontou cinco golos, o que lhe confere o estatuto de melhor marcador italiano da história leonina.

Também em 2015/16, mas já com a época em andamento, foi assegurada a contratação de Ezequiel Schelotto a custo zero, depois de o lateral ter deixado o Inter de Milão. Jogou às ordens de Jorge Jesus durante duas temporadas e somou 43 partidas (38 no onze inicial), que fazem dele o futebolista transalpino com mais jogos pelo clube. Acabou por sair pela porta pequena no verão do ano passado, rumando aos ingleses do Brighton.

Precisamente para render Schelotto para o lado direito da defesa, foi contratado Cristiano Piccini, que atuou 40 vezes de leão ao peito (apenas uma como suplente utilizado) no decorrer da temporada transata, proveniente do Bétis. Ainda participou no estágio de pré-época deste verão na Suíça, mas acabou por rumar ao Valência.

Já esta temporada, Emiliano Viviano foi o escolhido, ainda por Bruno de Carvalho e com a recomendação de Sinisa Mihajlovic, para assumir a responsabilidade de substituir Rui Patrício na baliza do Sporting. Agora, ao que tudo indica Stefano Sturaro vai completar a meia dúzia.

Em relação a treinadores, Giuseppe Materazzi é para já o único. Recomendou a contratação de De Franceschi e dirigiu a equipa em seis encontros, mas acabou por ser despedido e substituído por Augusto Inácio na época do 17.º título nacional, em 1999/00. No entanto, Claudio Ranieri pode seguir-lhe as pisadas: basta que os sportinguistas votem em Pedro Madeira Rodrigues nas eleições de 8 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.