Tavares Pereira felicita Varandas e fica "atento" às promessas

O empresário, um dos candidatos derrotados das eleições do Sporting, felicitou este domingo o novo presidente do clube, advertindo que estará "atento" ao cumprimento das promessas eleitorais.

"Gostaria de dar os parabéns ao Dr. Frederico Varandas pela vitoria alcançada, que lhe confere total legitimidade para dirigir os destinos do nosso clube", assinalou Tavares Pereira, em nota enviada à agência Lusa, adiantando que Frederico Varandas passou a ter em si "um apoiante".

O candidato derrotado pela lista G, que destacou a necessidade de estabilizar as contas do clube e da SAD, pediu "paz e serenidade" aos sócios do Sporting, assegurando que jamais utilizará "os meios de comunicação social ou as redes sociais para fazer qualquer tipo de crítica".

"Nos planos financeiro e desportivo estaremos atentos para que sejam cumpridas as diversas promessas eleitorais que ao longo da campanha foram sendo feitas aos sócios. Se porventura tivermos que fazer algum reparo relativamente à atuação do Conselho Diretivo usaremos os meios institucionais ao nosso alcance e seremos recatados", observou.

Frederico Varandas tornou-se o 43.º presidente do Sporting, ao recolher 42,32% dos votos (8.717 votantes) nas eleições realizadas no sábado, as mais concorridas da história do clube, sucedendo a Bruno de Carvalho, que foi destituído do cargo em 23 de junho.

O médico, de 38 anos, foi eleito para um mandato de quatro anos, depois de ter sido diretor clínico do Sporting, entre 2011 e 2018, e desempenhado as mesmas funções no Vitória de Setúbal, entre 2007 e 2011.

João Benedito foi o segundo mais votado, com 36,84% (9.735 votantes), José Maria Ricciardi teve 14,55% dos votos, superando as listas encabeçadas por José Dias Ferreira (2,35%), Fernando Tavares Pereira (0,9%) e Rui Jorge Rego (0,51%). Foram ainda registados 2,2% de votos em branco e 0,31% nulos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.