Ferro Rodrigues quer que acabe "fase dos bons e maus sportinguistas"

Ferro não comentou a possível impugnação das eleições por parte do ex-presidente 'leonino' Bruno de Carvalho: "Não comento nada que tenha a ver com figuras do passado".

O presidente da Assembleia da República portuguesa, Ferro Rodrigues, sócio e adepto do Sporting, disse hoje esperar que tenha acabado "a fase dos bons e maus sportinguistas".

"Quero deixar uma palavra de esperança numa grande mobilização, que se continue a verificar ao longo do dia e que se batam todos os recordes. Mais importante, que todos os candidatos que tiveram a coragem de se apresentar, possam apoiar o que for eleito para que a fase dos bons e maus sportinguistas acabe e possa haver coesão e unidade no clube", afirmou nas imediações do Estádio José Alvalade, ainda na fila para votar para eleger o novo presidente do Sporting.

Ferro Rodrigues quis também endereçar uma "palavra de gratidão" aos que, "num momento muito difícil, tiveram a coragem de assumir a responsabilidade no clube e na SAD nos últimos meses".

Apesar da esperança, o responsável político frisou que o momento é ainda de "preocupação" porque "é necessário inventariar claramente a verdadeira situação, e isso vai durar alguns meses, e daí tirar consequências a curto e médio prazo".

"Acredito que pode haver união porque as pessoas têm bom senso, são todos sportinguistas que querem o bem do Sporting acima de qualquer outra coisa", disse.

Ferro Rodrigues não quis ainda comentar a possível impugnação das eleições por parte do ex-presidente 'leonino' Bruno de Carvalho: "Não comento nada que tenha a ver com figuras do passado".

Sobre a situação financeira do Sporting, notou que "tem que se saber exatamente qual é a situação".

"Há uma auditoria forense que está em curso e que vai divulgar os seus resultados. O Sporting tem a capacidade, o número de simpatizantes, três milhões, o número de sócios, pessoas espalhadas por todo o país e por tudo o mundo, capazes de responder por mais difícil que a situação seja", disse.

João Benedito (lista A), José Maria Ricciardi (B), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), José Dias Ferreira (F) e Fernando Tavares Pereira (G) são os seis pretendentes que se mantiveram até ao fim na corrida, após a desistência de Pedro Madeira Rodrigues (C), derrotado por Bruno de Carvalho em 2017, que se tornou apoiante de Ricciardi.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.