Sporting: Uma derrota e muito para melhorar

Depois de uma goleada com os amadores do Lancy, veio uma derrota com os profissionais do Neuchatel.

O Sporting perdeu esta sexta-feira por 2-1 com o Neuchatel Xama, em jogo de caráter particular. Montero (3') deu vantagem aos leões, porém Cicek (5') e Karlen (63') deram a volta ao marcador.

A primeira versão do Sporting de José Peseiro, como se esperava, nada teve que ver com a equipa que terminou a temporada passada. Dos titulares habituais sobrou apenas Piccini que ocupou a lateral direita. A restante equipa era feita de jogadores menos utilizados, reforços e regressos de empréstimo (Salin, Jefferson, Marcelo, André Pinto, Piccini, Petrovic, Misic, Wendel, Raphinha, Montero e Matheus Pereira).

Numa primeira parte jogada a ritmo de pré-época e perante uma equipa recém-promovida ao principal escalão do campeonato suíço, o Sporting dominou a toda a linha puxando para si a iniciativa de jogo. Ainda alguns adeptos procuravam o melhor local para ver a partida, e os leões já se adiantavam no marcador. Jefferson obrigou Walthert a defender para a frente na cobrança de um livre, e a bola sobrou para Raphinha que convidou Montero a inaugurar o marcador. Mas depressa o Neuchatel se acercou da baliza leonina e, aproveitando uma saída algo disparatada de Salin, chega ao empate por Cicek.

E ficou por aí a ação dos suíços no que diz respeito ao ataque. A partir desse momento, o jogo aconteceu num só sentido com Raphinha e Matheus Pereira como protagonistas. Os extremos mostraram um entendimento muito bom para esta altura da época e dividiram entre si as oportunidades da primeira parte. Com mobilidade, procurando sempre zonas de finalização, velocidade e técnica, os jovens foram uma dor de cabeça para os defesas contrários. Só a falta de pontaria e o guarda-redes Walthert evitaram que o jogo fosse para o intervalo com outro resultado.

Wendel sem convencer

Com a segunda parte vieram as alterações, a quebra de ritmo do jogo e o desaparecimento do Sporting dominador dos primeiros 45 minutos. O meio campo leonino não funcionava e o Neuchatel aproveitava-se disso para criar perigo. Viviano, que entrou na segunda parte, adiou o golo suíço por duas vezes. Contudo já não conseguiu fazer nada quando Karlen lhe apareceu sozinho pela frente e finalizou para o 2-1. A jogada do clube suíço iniciou-se após uma perda de bola de Wendel que voltou a não convencer.

Desta segunda parte pouco conseguida pelo Sporting salvaram-se alguns pormenores de Jovane Cabral e as defesas de Viviano. Convém contudo lembrar que a este Sporting ainda faltam jogadores como Coates, Mathieu, Acuña, Nani e Bruno Fernandes.

O Sporting volta a jogar um encontro particular já este sábado com o Nice, a partir das 18.00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...