Sporting com prejuízo de 19,9 milhões de euros

Relatório e contas é conhecido no mesmo dia em que o Sporting vai a eleições. Regresso de três jogadores que tinham rescindido [Bruno Fernandes, Bas Dost e Rodrigo Battaglia] com impacto positivo de 18 milhões de euros.

A Sporting SAD registou um prejuízo de 19,9 milhões de euros na época de 2017/18, depois do lucro anterior de 30,5 milhões de euros, segundo o relatório enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A atividade da Sporting SAD gerou, em 2017/18, um resultado líquido negativo [prejuízo] de 19,9 milhões de euros", afirma o presidente do Conselho de Administração da sociedade, José Sousa Cintra, na mensagem introdutória ao relatório e contas anual.

Na época de 2016/17, a SAD do Sporting tinha registado um lucro de 30,5 milhões de euros.

Sousa Cintra informa que "em termos de capitais próprios, a Sociedade voltou a registar um valor negativo, após o desempenho positivo do ano anterior, fechando o exercício com 13 ME negativos, fruto do pior desempenho em termos de receitas e do aumento dos custos/investimento na equipa de futebol profissional".

Em termos globais, o volume de negócios do exercício "totalizou 126 milhões de euros (dos quais 34 milhões de euros correspondem a transações com jogadores), o que compara com a época anterior, em que os rendimentos atingiram um valor recorde de 173 ME (93 ME provenientes da transação de jogadores)".

Antes, Sousa Cintra aborda o desempenho desportivo da SAD, referindo que a equipa de futebol foi afastada das provas europeias e falhou a liderança e vice-liderança da I Liga, ficando em terceiro lugar, assim como a derrota na final da Taça de Portugal.

Estes resultados, segundo o dirigente, agudizaram a crise diretiva e dos órgãos sociais, levando à saída do ex-presidente Bruno de Carvalho na Assembleia Geral destitutiva de 23 de junho, bem como desportiva - com a rescisão de nove jogadores.

No relatório e contas, que é conhecido no mesmo dia em que o Sporting vai a eleições, Sousa Cintra nota que "o registo de transferências de jogadores foi menos positivo do que na época transata".

"O saldo entre as vendas e as aquisições, no presente exercício, foi negativo em 21 milhões de euros sendo que os gravíssimos acontecimentos de Alcochete em 15 de maio e a subsequente rescisão unilateral sem justa causa por parte de 9 atletas, limitou e condicionou a força negocial da Sociedade no sentido de garantir encaixes adicionais", refere o presidente do Conselho de Administração da SAD leonina.

Sousa Cintra destaca a venda de Adrien Silva para o Leicester por 20,5 milhões de euros, e as compras de Marcos Acuña (10,5 ME, Matthieu (4 ME), Wendel (8,7 ME), Montero (1ME), Raphinha (6,5 ME), Bruno Gaspar (4,7 ME) e Viviano (2 ME).

Já no relatório do Conselho de Administração da SAD é destacada a redução do passivo global de 311 para 283 milhões de euros, a redução da dívida bancária nominal de 105 para 88 ME, e um volume de negócios anual de 126 ME.

No plano desportivo, aponta "a rescisão unilateral sem justa causa de nove jogadores" e o regresso de três [Bruno Fernandes, Bas Dost e Rodrigo Battaglia] com impacto positivo de 18 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.