Sporting com prejuízo de 19,9 milhões de euros

Relatório e contas é conhecido no mesmo dia em que o Sporting vai a eleições. Regresso de três jogadores que tinham rescindido [Bruno Fernandes, Bas Dost e Rodrigo Battaglia] com impacto positivo de 18 milhões de euros.

A Sporting SAD registou um prejuízo de 19,9 milhões de euros na época de 2017/18, depois do lucro anterior de 30,5 milhões de euros, segundo o relatório enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A atividade da Sporting SAD gerou, em 2017/18, um resultado líquido negativo [prejuízo] de 19,9 milhões de euros", afirma o presidente do Conselho de Administração da sociedade, José Sousa Cintra, na mensagem introdutória ao relatório e contas anual.

Na época de 2016/17, a SAD do Sporting tinha registado um lucro de 30,5 milhões de euros.

Sousa Cintra informa que "em termos de capitais próprios, a Sociedade voltou a registar um valor negativo, após o desempenho positivo do ano anterior, fechando o exercício com 13 ME negativos, fruto do pior desempenho em termos de receitas e do aumento dos custos/investimento na equipa de futebol profissional".

Em termos globais, o volume de negócios do exercício "totalizou 126 milhões de euros (dos quais 34 milhões de euros correspondem a transações com jogadores), o que compara com a época anterior, em que os rendimentos atingiram um valor recorde de 173 ME (93 ME provenientes da transação de jogadores)".

Antes, Sousa Cintra aborda o desempenho desportivo da SAD, referindo que a equipa de futebol foi afastada das provas europeias e falhou a liderança e vice-liderança da I Liga, ficando em terceiro lugar, assim como a derrota na final da Taça de Portugal.

Estes resultados, segundo o dirigente, agudizaram a crise diretiva e dos órgãos sociais, levando à saída do ex-presidente Bruno de Carvalho na Assembleia Geral destitutiva de 23 de junho, bem como desportiva - com a rescisão de nove jogadores.

No relatório e contas, que é conhecido no mesmo dia em que o Sporting vai a eleições, Sousa Cintra nota que "o registo de transferências de jogadores foi menos positivo do que na época transata".

"O saldo entre as vendas e as aquisições, no presente exercício, foi negativo em 21 milhões de euros sendo que os gravíssimos acontecimentos de Alcochete em 15 de maio e a subsequente rescisão unilateral sem justa causa por parte de 9 atletas, limitou e condicionou a força negocial da Sociedade no sentido de garantir encaixes adicionais", refere o presidente do Conselho de Administração da SAD leonina.

Sousa Cintra destaca a venda de Adrien Silva para o Leicester por 20,5 milhões de euros, e as compras de Marcos Acuña (10,5 ME, Matthieu (4 ME), Wendel (8,7 ME), Montero (1ME), Raphinha (6,5 ME), Bruno Gaspar (4,7 ME) e Viviano (2 ME).

Já no relatório do Conselho de Administração da SAD é destacada a redução do passivo global de 311 para 283 milhões de euros, a redução da dívida bancária nominal de 105 para 88 ME, e um volume de negócios anual de 126 ME.

No plano desportivo, aponta "a rescisão unilateral sem justa causa de nove jogadores" e o regresso de três [Bruno Fernandes, Bas Dost e Rodrigo Battaglia] com impacto positivo de 18 milhões de euros.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.