Tribunal confirma decisão a favor de Bruno de Carvalho

O Sporting foi condenado a admitir a candidatura à presidência do clube liderada por Bruno de Carvalho, segundo a decisão da providência cautelar apresentada pelo presidente destituído, a que a Lusa teve esta segunda-feira acesso.

Esta decisão já tinha sido anunciada por Bruno de Carvalho, numa ação de campanha da lista 'Leais ao Sporting', inicialmente marcada para apresentar Erik Kurgy como líder do projeto, dada a suspensão de sócio por um ano do antigo dirigente.

Na decisão, a juíza Raquel Alves, do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, decidiu a favor da petição de Bruno de Carvalho, contra a recusa do presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do clube, Jaime Marta Soares, em aceitar a lista por si encabeçada para as eleições de 8 de setembro e a proibição de realizar campanha.

"Absolver da instância os requeridos Jaime Carlos Marta Soares e a Comissão de Fiscalização do Sporting (...); Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal a admitir a apresentação da candidatura integrada pelos requerentes, na qual é mandatário Pedro Proença; Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal no pagamento de sanção pecuniária compulsória, que se fixa, em cinco mil euros, por cada dia de atraso na admissão da apresentação da mesma candidatura", lê-se na decisão, datada da passada sexta-feira.

A decisão reconhece "a possibilidade de apresentação de candidaturas, independentemente, da posterior apreciação da sua admissibilidade, é condição de eleições livres e democráticas".

Na petição apresentada por Bruno de Carvalho, entre outros argumentos, o antigo presidente leonino contesta a recusa da aceitação da lista concorrente às eleições de 8 de setembro, no passado dia 18 de julho, quando os elementos da anterior direção do clube estavam suspensos provisoriamente de sócios.

Entretanto, na passada quinta-feira, a Comissão de Fiscalização do clube anunciou a suspensão por um ano do antigo presidente Bruno de Carvalho, assim como do ex-vice-presidente Carlos Vieira, enquanto Rui Caeiro, José Quintela, Luís Gestas e Alexandre Godinho foram suspensos por 10 meses e Luís Roque foi alvo de repreensão.

Bruno de Carvalho anunciou esta segunda-feira que vai entregar uma lista para as eleições do clube. Além do antigo presidente, apresentaram-se como candidatos às eleições Carlos Vieira, Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Dias Ferreira, Pedro Madeira Rodrigues, José Maria Ricciardi, Frederico Varandas e Rui Jorge Rego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.