Tribunal confirma decisão a favor de Bruno de Carvalho

O Sporting foi condenado a admitir a candidatura à presidência do clube liderada por Bruno de Carvalho, segundo a decisão da providência cautelar apresentada pelo presidente destituído, a que a Lusa teve esta segunda-feira acesso.

Esta decisão já tinha sido anunciada por Bruno de Carvalho, numa ação de campanha da lista 'Leais ao Sporting', inicialmente marcada para apresentar Erik Kurgy como líder do projeto, dada a suspensão de sócio por um ano do antigo dirigente.

Na decisão, a juíza Raquel Alves, do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, decidiu a favor da petição de Bruno de Carvalho, contra a recusa do presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do clube, Jaime Marta Soares, em aceitar a lista por si encabeçada para as eleições de 8 de setembro e a proibição de realizar campanha.

"Absolver da instância os requeridos Jaime Carlos Marta Soares e a Comissão de Fiscalização do Sporting (...); Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal a admitir a apresentação da candidatura integrada pelos requerentes, na qual é mandatário Pedro Proença; Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal no pagamento de sanção pecuniária compulsória, que se fixa, em cinco mil euros, por cada dia de atraso na admissão da apresentação da mesma candidatura", lê-se na decisão, datada da passada sexta-feira.

A decisão reconhece "a possibilidade de apresentação de candidaturas, independentemente, da posterior apreciação da sua admissibilidade, é condição de eleições livres e democráticas".

Na petição apresentada por Bruno de Carvalho, entre outros argumentos, o antigo presidente leonino contesta a recusa da aceitação da lista concorrente às eleições de 8 de setembro, no passado dia 18 de julho, quando os elementos da anterior direção do clube estavam suspensos provisoriamente de sócios.

Entretanto, na passada quinta-feira, a Comissão de Fiscalização do clube anunciou a suspensão por um ano do antigo presidente Bruno de Carvalho, assim como do ex-vice-presidente Carlos Vieira, enquanto Rui Caeiro, José Quintela, Luís Gestas e Alexandre Godinho foram suspensos por 10 meses e Luís Roque foi alvo de repreensão.

Bruno de Carvalho anunciou esta segunda-feira que vai entregar uma lista para as eleições do clube. Além do antigo presidente, apresentaram-se como candidatos às eleições Carlos Vieira, Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Dias Ferreira, Pedro Madeira Rodrigues, José Maria Ricciardi, Frederico Varandas e Rui Jorge Rego.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.