Bruno de Carvalho fica sem mandatário

Pedro Proença justifica a renúncia ao cargo com a "discordância relativamente a algumas das opções estratégicas fundamentais". Mas continua a apoiar o presidente destituído

O advogado Pedro Proença renunciou esta terça-feira ao cargo de mandatário da candidatura de Bruno de Carvalho para as eleições do Sporting, que foi excluída da corrida ao ato eleitoral de 8 de setembro.

Em comunicado enviado à agência Lusa, Pedro Proença justifica a renúncia ao cargo com a "discordância relativamente a algumas das opções estratégicas fundamentais", assim como "um conjunto de desenvolvimentos" que o levam a "questionar a manutenção da confiança mútua entre a liderança da candidatura e o respetivo mandatário".

"Informo que comuniquei hoje a Bruno de Carvalho e ao presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting Clube de Portugal a minha renúncia ao cargo de mandatário da respetiva candidatura", lê-se no comunicado assinado por Pedro Proença.

Apesar desta decisão, Pedro Proença reiterou o apoio no antigo presidente do clube, que foi destituído em Assembleia Geral, em 23 de junho último, e foi um dos oito a apresentar candidatura à presidência do clube.

"Sem prejuízo dessa renúncia, mantenho a convicção de que o projeto liderado por Bruno de Carvalho é o que melhor serve os interesses do Sporting e dos seus sócios, pelo menos aquele que mais garantias me dá, a mim enquanto sócio e sportinguista de alma e coração, de que a maioria da SAD continuará a pertencer ao clube", rematou Pedro Proença.

João Benedito, José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues, Frederico Varandas, Rui Jorge Rego, Dias Ferreira e Fernando Tavares Pereira são os sete candidatos ao ato eleitoral de 8 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).